• EN
  • 20 de abril de 2018

    Redação Inhotim


    arteinhotimprogramação cultural

    Leitura: 6 min

    Semana da Leitura: resgatamos oito curiosidades sobre a Biblioteca Inhotim

    Semana da Leitura: resgatamos oito curiosidades sobre a Biblioteca Inhotim

    Ler é uma forma de conhecer o mundo. A leitura aguça a curiosidade, expande o conhecimento, exercita a atenção e a imaginação, aproxima as pessoas de outras realidades e inspira novas vontades. Na Biblioteca Inhotim, localizada no Centro de Educação e Cultura Burle Marx, milhares de livros estão disponíveis para leitura e consultas de visitantes, funcionários e funcionárias e jovens integrantes dos projetos educativos do Instituto. Quem entrar receberá o acolhimento necessário para se aventurar entre as estantes, descobrindo e se surpreendendo com os conteúdos sobre arte e meio ambiente que as prateleiras guardam. Para celebrar a Semana da Leitura e fazer com que você se sinta ainda mais à vontade por aqui, entendendo a importância desse lugar, listamos algumas curiosidades sobre a Biblioteca Inhotim:

    1- A Biblioteca Inhotim atualmente é um espaço de guarda e conservação de um acervo especializado em Arte Contemporânea, Botânica, Educação e áreas correlatas. O ambiente funciona como espaço de trabalho para o educativo e para pesquisa e lazer para demais funcionários, funcionárias, visitantes e integrantes dos programas educativos do Instituto. No espaço, já ocorreram filmagens, entrevistas, conversas, formações e até exposições.

    2- A primeira Biblioteca do Inhotim ficava localizada onde atualmente está a Galeria Mata. Em 2009, o espaço foi transferido para seu local atual, com a construção do Centro de Educação e Cultura Burle Marx.

    3- O prédio do Centro de Educação e Cultura Burle Marx, onde a Biblioteca Inhotim está atualmente, é uma arquitetura contemporânea brasileira, projeto do escritório Arquitetos Associados, e já ganhou importantes prêmios como o Prêmio das Américas Mies Crown Hall (MCHAP), do Instituto de Tecnologia de Illinois, nos Estados Unidos, e o “Edifícios Institucionais”, do 3º prêmio O Melhor da Arquitetura, da revista Arquitetura & Construção. Também foi indicado ao 9º Prêmio Jovens Arquitetos 2009, do IAB SP e também à 12ª premiação de arquitetura IAB MG, em 2010.

    4-  A Biblioteca recebeu uma grande coleção de livros sobre paisagismo e temas correlatos da designer Cookie Richers. Curiosamente ela era esposa do famoso dono do estúdio de dublagens de filmes brasileiros de mesmo nome Herbert Richers.

    5- O primeiro livro a ser cadastrado no sistema da Biblioteca foi “Teorias da arte”, de Anne Cauquelin.

    6- Entre os exemplares mais raros que existem no acervo literário do Inhotim, estão dois livros da artista Claudia Andujar. Em “Mitopoemas Yanomami”,  a fotógrafa e ativista conseguiu, com a ajuda do missionário Carlos Zacquini, gravar e traduzir as descrições de desenhos feitos pela tribo amazônica retratando seus costumes. O livro é uma compilação de imagem e texto que apresenta a mitologia e a visualidade dos Yanomami. Já no livro “Amazônia”, Andujar segue uma narrativa que vai do macro ao micro, começando com as imagens aéreas até chegar em detalhes de cenários e dos corpos dos indígenas. Os dois exemplares saíram da Biblioteca do Inhotim e foram colocados na própria Galeria da artista.

    7- Os 10 livros mais emprestados da Biblioteca Inhotim até hoje foram “Através: Inhotim”, de Adriano Pedrosa e Rodrigo Moura; “Barrocos de Lírios”, de Tunga; “Encontros“, de Cildo Meireles; “Freud”, da coleção Os Pensadores; “CC, Programa in Progress”, de Hélio Oiticica e Neville d’Almeida; “Guia de plantas tropicais: plantas ornamentais, plantas úteis, frutos exóticos”, de Andreas Bartels; “Primavera silenciosa”, de Rachel Carson, e “Pedagogia da autonomia:  saberes necessários à prática educativa”, de Paulo Freire.

    8- Atualmente, a Biblioteca abriga um total de 6.447 títulos.

    Quer conhecer de perto? Visite a Biblioteca no Centro de Educação e Cultura Burle Marx e gaste o tempo que precisar entre os livros do acervo! O espaço funciona de terça a sábado, e os horários são das 9h30 às 16h30 de terça a sexta-feira, e das 9h30 às 17h30 aos sábados e feriados.

    *Este conteúdo foi escrito com a colaboração de Joice Silva, Bibliotecária do Inhotim.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    11 de abril de 2018

    Redação Inhotim


    artearte contemporâneainhotim

    Leitura: 3 min

    Justiça Espacial e Parangoleis são temas de ação poética no Inhotim

    Justiça Espacial e Parangoleis são temas de ação poética no Inhotim

    No dia 28 de março, o Inhotim recebeu o professor Andreas Philippopoulos-Mihalopoulos, da Universidade de Westminster (Reino Unido), e a professora Maria Fernanda Salcedo Repolês, da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, onde realizaram um workshop para discutir o direito espacial.

    Durante o encontro, foi explorado o novo conceito e manifesto do “parangolei-lawscape”, inspirado pelas teorias da justiça espacial e pelos Parangolés de Hélio Oiticica. Nas ações propostas, o movimento dos corpos foi usado como forma de ocupar os espaços e explorar as chamadas “Parangoleis”, empoderando os corpos a pensar, se movimentar e trabalhar com o direito e o espaço de forma emancipada, artística, espetacular, intensamente pessoal e engajada publicamente.  Participaram das atividades propostas ao longo do dia, pesquisadores e pesquisadoras, funcionários do Instituto, jovens que participam de programas educativos do Inhotim, além de visitantes interessados.

    O grupo também foi convidado por Andreas e Maria Fernanda a praticar a fotopoesia (picpoetry), um método de capturar o ambiente por meio de fotos com breves poesias e postagens instantâneas nas redes sociais do Inhotim.

    O diálogo entre arte e botânica do Instituto Inhotim, proporciona ao público em geral um lugar convidativo à fruição estética, à produção de conhecimento e ao desenvolvimento humano em todas as suas dimensões. Suscita ainda, o interesse de diversos pesquisadores, de diferentes áreas do conhecimento.

    Segundo o professor Andreas, “a Justiça Espacial” é uma ferramenta de resistência e, ao mesmo tempo, de criatividade”, e o Instituto Inhotim vê a importância e orgulha-se em proporcionar a partir de um ambiente naturalmente transdisciplinar, a construção de conhecimento entre os diferentes saberes.

    Se quiser conehcer mais sobre o trabalho do pesquisador, acesse Lost in lawscape e Pic poet.  

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    05 de abril de 2018

    Redação Inhotim


    Leitura: 5 min

    O universo particular das plantas epífitas no Inhotim  

    O universo particular das plantas epífitas no Inhotim  

    Entrar em um lugar onde cerca de 2.500 plantas de várias partes do mundo convivem em harmonia é sentir o cheiro, as cores e a força da natureza. No epifitário do Inhotim, é possível ver por todos os lados espécies como orquídeas, bromélias, cactos tropicais e samambaias epífitas crescendo aos cuidados dos profissionais da botânica. O espaço é dedicado a conservação de espécies de resgate e de manutenção do acervo botânico do Instituto e faz parte do roteiro da visita mensal mediada pelo engenheiro agrônomo do Inhotim, Juliano Borin.

    As plantas epífitas são aquelas que precisam de outras para suporte, como o tronco de uma árvore . O epifitário do Inhotim guarda exemplares que vieram de várias partes do Brasil e do mundo. De acordo com o engenheiro agrônomo  do Instituto Juliano Borin, há espécies que foram compradas e outras que foram resgatadas, sendo o maior desafio da equipe fazer com que nesse espaço seja possível a vida de plantas com exigências tão diferentes.

    A dinâmica no epifitário é feita para que esse cultivo de variedades seja feito da melhor forma. Para isso, um sistema de irrigação específico de nebulização que funciona de forma localizada diariamente deixa as raízes sempre devidamente hidratadas. “ Esse sistema se chama microaspersão. Ele tenta imitar uma nevoa, como se fosse uma bruma que vai molhando as epífitas. Depois, fazemos a complementação com as mangueiras poupando as flores e focando sempre na raiz”, explica Borin. Segundo ele, o restante da manutenção é feito por meio da retirada das raízes mortas, das folhas que estão com fungos e do botão floral das plantas que estão com baixo desenvolvimento, fazendo com que elas poupem energia.

    No epifitário, as plantas são remanejadas de acordo com a necessidade de cada uma delas. Foto: Rossana Magri.

    No epifitário, as plantas são remanejadas de acordo com a necessidade de cada uma delas. Foto: Rossana Magri.

    De acordo com Borin, algumas espécies já estão adaptadas, como é o caso da orquídea Cattleya que, por ser de Minas Gerais, é acostumada com o clima da região. “Mas aqui existem orquídeas da Tailândia, como as Vandas, que não gostam de frio, estão acostumadas ao clima constantemente quente”. Para contornar essa situação, os jardineiros são treinados a desenvolver a sensibilidade de entender essa necessidade específica de cada uma. Dessa forma, elas são distribuídas no epifitário de acordo com o que precisam: nos cantos, por exemplo -onde a água cai menos – ficam aquelas que precisam de menos umidade. Já no alto, ficam as Vandas, onde o clima é mais aquecido. Com a atenção e o cuidado da equipe de jardinagem, elas florescem e se fortalecem a cada dia.

    Durante a visita conduzida por Borin,  você terá a chance de conhecer espécies que não estão no jardim do Inhotim, além de entender mais sobre a dinâmica de um lugar onde plantas de diferentes partes do mundo se encontram.  Além disso, o passeio percorre outros espaços de cultivo do Inhotim, para que você entenda como é possível manter 42 hectares de jardins por aqui.

    Participe!

    Pelos Jardins do Inhotim
    Quando: 7 de abril, 12 de maio, 9 de junho, 14 de julho, 11 de agosto, 15 de setembr, 6 de outubro, 10 de novembro, 15 de dezembro. Sempre aos sábados.
    Horário: 14h30
    Onde: saída da Recepção
    Preço: R$ 40

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    03 de abril de 2018

    Redação Inhotim


    Leitura: 2 min

    10º ano do Encontro Marcado

    10º ano do Encontro Marcado

    O ano de 2018 consolida 10 anos de execução do Encontro Marcado, projeto que reúne as equipes do Inhotim com a proposta de democratizar o acesso de funcionárias e funcionários aos acervos do Instituto.

    Nutrida com saudosos registros de sua história e perspectivas para os próximos momentos, a equipe do projeto deseja celebrar sua trajetória revisitando atividades marcantes, acessando lugares e temas até então não abordados, trazendo à tona figuras de destaque do projeto e contribuindo com a formação profissional e pessoal dos sujeitos.

    Os encontros deste ano iniciam em abril e serão organizados em duas frentes: A primeira tem foco na experiência, na prática e na exploração lúdica dos acervos; os encontros acontecerão às terças-feiras, das 14h às 16h, e contarão com as etapas Rememorando, Inexplorado, O fazer d@ outr@ e Figuras do Encontro Marcado. Já a segunda frente de atividades pretende o estudo dos acervos, passando pela pesquisa de conceitos relacionados a obras, artistas e/ou galerias e jardins do Inhotim; nesta frente, os encontros acontecerão às quintas-feiras, entre 9h30 e 10h30.

    Ao longo dos anos, os encontros do projeto extrapolaram a biblioteca, as galerias e os jardins, e construíram um lugar de socialização e aprendizado apoiado na troca, na escuta, na fala e na expressão de cada participante. Aqui, funcionários e funcionárias são estimulados a conhecer melhor o espaço onde trabalham e a desfrutar de todas as possibilidades que o Inhotim proporciona.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    28 de fevereiro de 2018

    Redação Inhotim


    artecomunidadeeducaçãoinhotim

    Leitura: 5 min

    Em março, uma entrada vale por duas no Inhotim

    Em março, uma entrada vale por duas no Inhotim

    Quer trazer aquela pessoa querida para visitar ou revisitar o Inhotim com você? De 1º de março a 1º de abril, uma entrada valerá por duas por aqui. Aproveite a oportunidade para planejar uma viagem com as suas melhores companhias. O Inhotim segue funcionando de terça a sexta das 9h30 às 16h30 e nos finais de semana e feriados de 9h30 às 17h30.

    A inteira custa R$ 44 e quem for fazer a compra online deverá incluir no carrinho de compras apenas metade dos ingressos que iria comprar a princípio. Na bilheteria do Inhotim, ao apresentar o voucher da compra de 1 ingresso, você receberá duas entradas válidas para o dia. Confira a programação do mês de março para se programar. Informamos que a entrada na quarta-feira continua sendo gratuita.

    Febre amarela
    Observando a recorrência de febre amarela em Minas Gerais, está sendo solicitado ao visitante que apresente o comprovante de vacina contra a doença. Só terão acesso às dependências do Instituto aqueles que comprovarem que foram vacinados há, no mínimo, 10 dias. Caso você tenha certeza de que já se vacinou, mas tenha esquecido o cartão, poderá entrar após a assinatura de um termo de responsabilidade garantindo que já se imunizou.

    Como chegar
    O Inhotim está localizado em Brumadinho (MG), a cerca de 60 km de Belo Horizonte. Para calcular a melhor rota para a sua viagem, é só clicar aqui. Se você estiver em Belo Horizonte, o tempo médio de viagem até o Inhotim de carro é 1h30 e o estacionamento no Parque é gratuito. Agora, se você chegou de avião, pode alugar um carro ou pegar um táxi. Calcule 2h do Aeroporto de Confins até o Parque ou 1h30 partindo do Aeroporto da Pampulha. Outra boa notícia é que o Inhotim possui serviço gratuito de guarda-volumes para bolsas e malas.

    Você também pode ir de ônibus ou transfer para o Inhotim. A empresa Saritur tem uma linha que sai da Rodoviária de Belo Horizonte, localizada no centro da cidade, de terça-feira a domingo. Para conhecer os horários e valores do ônibus clique aqui. E a Belvitur, agência oficial de turismo e eventos do Inhotim, oferece transfer saindo de Belo Horizonte, da região da Savassi. Garanta seu transporte aqui.

    Onde ficar
    Pronto, agora que você já sabe como chegar, precisa decidir se ficará hospedado em Brumadinho ou em Belo Horizonte. O Inhotim possui uma área de visitação de 140 hectares, o que significa que não dá pra conhecer todo o Parque em apenas um dia. Claro que se você estiver em Belo Horizonte e tiver um dia livre, irá aproveitar a visita. Mas para você que está planejando uma viagem que tem o Inhotim como destino principal, o ideal é separar três dias para visitação. Assim, dá para caminhar, refletir e curtir a natureza sem pressa. Para conhecer as opções de hospedagens clique aqui.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 12 de 57« Primeira...1011121314...203040...Última »