• PT
  • 15 de maio de 2020

    Equipe de Gestão Ambiental Inhotim


    ClimaJardim BotânicoMudanças ClimáticasMuseum Week

    Leitura: 6 min

    Mudanças Climáticas: Um desafio de todos

    Mudanças Climáticas: Um desafio de todos

    Nos últimos 150 anos, o crescimento das emissões de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera provocou mudanças significativas no clima global. De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o aumento na concentração desses gases está relacionado diretamente com a  queima de combustíveis fósseis, a produção de energia elétrica, o desmatamento, as queimadas e o desperdício de alimentos.

    A Organização das Nações Unidas (ONU) define a mudança do clima como um dos maiores desafios de nosso tempo. Por meio da Agenda 2030, a ONU criou 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). e um deles, o ODS 13, prevê uma ação global de combate à mudança climática e seus impactos por meio da educação, da integração de medidas nas políticas públicas e da capacitação, especialmente de mulheres, jovens e comunidades locais, em ações de gestão que envolvam esse tema.

    Tabela dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

    Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://nacoesunidas.org/tema/agenda2030/.

    O COMPROMISSO COM O CLIMA

    Agir em prol do clima é uma incumbência compartilhada entre governos, empresas, sociedade civil e organizações.  O Instituto Inhotim colabora em diversas frentes.

    1. Uma delas está ligada ao sequestro de carbono. Por meio desse processo, as plantas absorvem o gás carbônico da atmosfera e o transformam em oxigênio. Nesse sentido, o trabalho do Inhotim enquanto jardim botânico para a preservação de maciços florestais e o plantio constante de espécies nos jardins é uma das contribuições possíveis.

    2. A criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Inhotim é outro exemplo. Em 2014, a RPPN que contava com 145 hectares de mata preservada foi ampliada para 249,36 hectares, possibilitando a perenidade dessa vegetação nativa que, além de prestar vários serviços ambientais, também é uma ferramenta de sequestro de carbono.

    3. Ampliar o índice dos resíduos enviados para a reciclagem é uma meta importante porque, além de outros benefícios socioambientais, também se reverte na redução de emissões de GEE. Em 2019, houve um aumento de 41,09% em relação ao ano anterior na quantidade de resíduos doados pelo Inhotim para a Associação de Catadores do Vale do Paraopeba (ASCAVAP), localizada em Brumadinho.

    4. Outra ação de destaque é o fortalecimento do trabalho de compostagem. As podas geradas na manutenção dos jardins e os restos de alimentos vegetais crus dos restaurantes são as matérias-primas da compostagem realizada pelo Inhotim. Nesse processo, o que era resíduo retorna aos jardins na forma de composto orgânico para enriquecer o solo, com a vantagem de não contribuir com a liberação de gases que surgiriam durante a decomposição.

    Compostagem

    Equipes trabalham na transformação de restos de alimentos e folhagens em adubo, fora da área de visitação do Instituto. | Foto: William Gomes (registrada antes da pandemia).

    JÁ CONTRIBUIU COM ALGUMA AÇÃO HOJE?

    Despertar um olhar crítico sobre como atuar para mitigar os efeitos das mudanças climáticas também é importante. Pequenas atitudes podem gerar impactos positivos. Assim, reflita sobre como você pode evitar o desperdício de alimentos e priorize a compra de produtos sustentáveis e locais, pois é uma forma de não colaborar com o desmatamento ilegal e contribuir com a geração de emprego e renda para a sua região. Se você está saindo de casa, experimente ir de bicicleta (usando máscara) para reduzir a queima de combustíveis fósseis. Reflita sobre a geração e destinação dos seus resíduos, e sempre que possível, envie-os para a reciclagem. É hora de fazer a diferença pela preservação do planeta. 

    ____
    Bianca Paulino – Assistente Ambiental
    Filipe Framil – Analista Ambiental sênior

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    25 de maio de 2018

    Marcelo Martins


    botânicaeducaçãoinhotimJardim Botânicomeio ambientepassarinharpassarinhos

    Leitura: 4 min

    É tempo de observar e trocar figurinhas!

    É tempo de observar e trocar figurinhas!

    “A observação de aves é como completar um álbum de figurinhas: a pessoa vai a um local específico, sabendo quais espécies vai observar e marca os pássaros que avistou ou fotografou.” É assim que o biólogo Eduardo Franco define a atividade de observação de pássaros, que aconteceu no Inhotim, durante o lançamento do projeto #vempassarinharMG, nesta quinta-feira (24) no Inhotim. Para Eduardo Franco, o Instituto é um ótimo local para trocar essas figurinhas. “Aqui existem cerca de 300 espécies de pássaros na área de visitação e na sua Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN). É uma quantidade bem representativa, já que, no estado de Minas Gerais, existem cerca de 800”, disse.

    O grupo de observadores percorreu os jardins do Instituto e parou em alguns pontos, como perto das obras Inmensa (1982-2002) e Invenção da cor, Penetrável Magic Square # 5, De Luxe (1977).  Cada parada, que durou cerca de 20 minutos, proporcionou uma experiência multissensorial: ouvir o canto dos pássaros, sentir o cheiro dos jardins e tocar nas plantas, além de ver as obras de arte, as aves e as fotos recém tiradas pelos participantes.

    Durante o passeio, cenas inesperadas foram flagradas por quem participava da ação, como o acasalamento de dois beija-flores e a escuta do canto de diferentes espécies que habitam os espaços botânicos do Parque. Para muitas pessoas, a oportunidade de ver de perto as espécies foi especial. “Frequento o Inhotim com grupos de turismo e não me canso do paisagismo. Me deixa emocionado”,  disse Fred Crema, um dos integrantes do grupo.

    Eduardo Franco completa: “A observação de aves é experiência que vai além do visual, pois é uma oportunidade de conhecer o comportamento do animal, como a interação do mesmo com o seu habitat e a sua alimentação. Essa imersão na natureza torna a atividade encantadora”.

    Para o diretor de Jardim Botânico do Inhotim, Lucas Sigefredo, o Museu é um espaço que constitui um refúgio ímpar para fauna e flora da região, proporcionando a observação de pássaros e uma experiência que ativa várias sensações.

    “O projeto #vempassarinharMG representa mais uma importante ação visando ao despertar de uma sensibilização ambiental. É com muito carinho que recebemos este evento, que reforça a vocação do Inhotim como um espaço para realização de estudos, pesquisas e para compartilhar conhecimento e experiências”.

    #VemPassarinharMG
    Com o objetivo de fomentar a visitação nos Parques Naturais de Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (Setur-MG), em parceria com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ecoavis e as empresas DestinosMG e Maritaca Expeditions, iniciaram em 2017 a 1ª edição do projeto #vempassarinharMG.

    A passarinhada do #vempassarinharMG, como é chamada pelos observadores, inclui caminhadas pelas trilhas das unidades de conservação selecionadas e a presença de um convidado especial para ministrar uma palestra intitulada “Papo de Passarinho”, visando promover a observação e o monitoramento de aves como ferramentas de conscientização e conservação das espécies e seus habitats. Confira aqui o calendário da ação. 

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +