• EN
  • 15 de fevereiro de 2019

    Redação Inhotim


    Leitura: 8 min

    Esclareça suas dúvidas sobre Brumadinho e Inhotim

    Esclareça suas dúvidas sobre Brumadinho e Inhotim

    Muitas perguntas relacionadas ao rompimento da Barragem da Mina do Córrego do Feijão e aos acessos ao Inhotim têm chegado por aqui nas últimas semanas. Para esclarecer as principais dúvidas sobre o caso, respondemos abaixo as questões mais frequentes:

    O Inhotim está funcionando normalmente? 
    Sim. Voltamos a funcionar normalmente, de terça a sexta das 9h30 às 16h30 e nos finais de semana e feriados das 9h30 às 17h30. Nas quartas-feiras (exceto feriados), a entrada é gratuita para todos; nos demais dias, o ingresso custa R$ 44 (inteira) e R$ 22 (meia). Lembramos que crianças até 5 anos não pagam ingresso e há vários casos que garantem meia entrada: confira aqui. Os ingressos podem ser adquiridos online ou na nossa recepção.

    A área onde o Inhotim está localizado está em segurança?
    O Inhotim está a cerca de 20 quilômetros da área afetada. A equipe ambiental do Inhotim analisou os mapas topográficos do entorno para assegurar que o Instituto não corre riscos. Além disso, a Defesa Civil assinou um laudo confirmando que a Barragem B6 da Vale, em Córrego do Feijão, também não configura risco para o Instituto. Essa barragem de água já havia acendido o alerta de perigo das forças de segurança da região logo após o rompimento da Barragem B1, também da Vale, mas já está com sua situação normalizada, de acordo com a Defesa Civil. A corporação informou, ainda, que até o final do mês de fevereiro o processo de drenagem da barragem B6 será concluído.

    A lama é visível em toda a cidade de Brumadinho?
    Não. Os rejeitos atingiram a área rural de Brumadinho. A região central da cidade, onde o Inhotim está localizado, não foi afetado pela lama. As áreas atingidas ficam a cerca de 15 quilômetros da parte central.

    Como está o acesso ao Inhotim? 
    Para chegar ao Inhotim, o acesso pela BR-381 está liberado. Já os acessos via BR-040, passando por Retiro do Chalé, Casa Branca ou Piedade do Paraopeba, estão bloqueados. Os serviços de transporte da Belvitur e da Saritur já estão regularizados. Para mais informações sobre as possibilidades de transporte, confira Como chegar.

    Como está sendo feito o tratamento dos funcionários e funcionárias que tiveram parentes atingidos pelo rompimento da barragem?
    Nossa prioridade é prestar assistência a todos os funcionários e todas as funcionárias que, de alguma forma, foram atingidos pelo rompimento da barragem. Desde o primeiro momento, nosso RH esteve em contato com os 41 funcionários que tiveram parentes diretos entre as vítimas da tragédia. Pensando nesse retorno difícil, antes da reabertura do Inhotim ao público, houve acolhimento das equipes, com três dias de atividades de meditação, ioga, conversas em grupo e palestra sobre resiliência. Além disso, as pessoas impactadas pelo ocorrido estão recebendo acompanhamento psicológico. Acreditamos que o contato com os colegas é parte importante desse processo de superação.

    Quais serão as ações futuras voltadas para a comunidade?
    O Inhotim criou comitês para avaliar o impacto social, ambiental e econômico da tragédia. No momento, a prioridade é dar o suporte imediato aos funcionários que estão sofrendo a perda de um ente querido ou que estão em situações de incertezas. Essa é a principal linha de ação. Junto a isso, estamos realizando um planejamento estratégico para atender às principais demandas da comunidade no que diz respeito à influência do Inhotim no turismo e na economia local. A terceira linha de ação está sendo pensada por meio da atuação do Educativo Inhotim, que buscará dar o suporte que a cidade precisará nos próximos anos.

    Quais opções de hospedagem estão sendo oferecidas? 
    Todos os hotéis e pousadas indicados no nosso site estão funcionando. É só conferir as opções aqui.

    Qual o risco de doenças infecciosas após o rompimento da barragem do Córrego do Feijão? 
    Ainda não há nenhum pronunciamento oficial da Secretaria de Estado e Saúde de Minas Gerais sobre o aumento do risco de doenças na região de Brumadinho. No site da secretaria, orientações à população e aos serviços de saúde estão sendo disponibilizadas para informar moradores e visitantes da cidade sobre os cuidados com a saúde diante deste acontecimento. Estamos acompanhando todas as atualizações relacionadas ao tema e prontos para divulgar qualquer novidade.

    É necessário algum tipo de doação? 
    Não. Muitas pessoas nos procuraram com a intenção de encaminhar doações e oferecer trabalhos voluntários. Estamos em contato com o Corpo de Bombeiros, a Defesa Civil e a Prefeitura de Brumadinho e reafirmamos que não está sendo necessário mais nenhum suporte nesse sentido, pois os trabalhos de resgate e a atuação junto à comunidade já estão devidamente organizados.

    Como ajudar Brumadinho? 
    Acreditamos que, atualmente, a melhor forma de ajudar a cidade é fortalecendo sua reconstrução por meio da valorização da cultura, do turismo e das riquezas naturais de Brumadinho. Além do Inhotim, a cidade conta com uma extensa área verde, com diversas espécies da Mata Atlântica e do Cerrado, cachoeiras e trilhas, além de ser uma cidade com rica oferta cultural, com tradições de congado e comunidades quilombolas reconhecidas. Nos últimos tempos, muitos hotéis e pousadas foram construídos na região devido à crescente do turismo. Visitar Brumadinho, prestigiar o Inhotim e informar sobre o funcionamento e a programação do Instituto para outras pessoas também é uma forma de colaborar com uma cidade que busca se reerguer. 

    As águas do Inhotim e de Brumadinho estão contaminadas?
    Não. O abastecimento de água do Inhotim é feito diretamente de nascentes situadas no próprio território do Instituto. Por isso, não há risco de contaminação pela lama. Já a água da cidade de Brumadinho vem do Rio Águas Claras, e não do Rio Paraopeba, que foi atingido pelo rompimento da barragem. 

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    06 de fevereiro de 2019

    Redação Inhotim


    Leitura: 6 min

    Instituto Inhotim reabre neste sábado com entrada gratuita

    Instituto Inhotim reabre neste sábado com entrada gratuita

    Com entrada gratuita, reabriremos as portas ao público neste sábado (9/2), após duas semanas com o funcionamento suspenso devido ao rompimento da barragem em Córrego do Feijão. Neste momento delicado, retomar as atividades do Instituto é parte de um recomeço importante para toda a cidade de Brumadinho. Em homenagem às vítimas da tragédia, funcionários, funcionárias e visitantes serão convidados a fazerem um minuto de silêncio logo após o início do horário de visitação, que será das 9h30 às 17h30.

    De acordo com o diretor executivo do Inhotim, Antonio Grassi, a Instituição terá um papel fundamental na recuperação da cidade e na superação da tragédia.

    “A comunidade sofreu uma perda imensurável e está completamente abalada. Estamos reabrindo no sábado com entrada gratuita para simbolizar que o Inhotim está de portas abertas para a comunidade nesse momento de dor. Acreditamos que a retomada das atividades do Inhotim será uma das principais forças para ajudar Brumadinho e a região a vencerem essa primeira etapa de luto. A saída para tudo isso seguramente passa por aquilo que o Instituto tem como seu maior patrimônio: cultura, arte, turismo, meio ambiente e educação”, salienta Grassi.

    O rompimento da barragem não atingiu o Museu, mas abalou profundamente a equipe. Dos aproximadamente 600 funcionários do Instituto, 80% moram na região e 41 têm familiares desaparecidos ou com óbito confirmado.

    A retomada das atividades do Instituto vem sendo pensada com carinho e cuidado. Entendemos a importância e a responsabilidade que o Inhotim tem com a população de Brumadinho, e, por isso, seguimos tendo a arte, o meio ambiente e a educação como nossos grandes pilares e pontos de partida para ações futuras. Recebemos, anualmente, milhares de visitantes do Brasil e do mundo inteiro, movimentando a economia da cidade e fortalecendo a cultura no Brasil. Estar de portas abertas, nesse momento ainda tão difícil, significa o reforço do nosso compromisso com o município de Brumadinho na certeza do poder da cultura e da educação para o desenvolvimento humano e social.

    Agradecemos por todas as mensagens de apoio e carinho que recebemos nos últimos dias. E contamos com você nesse recomeço!

    Para chegar ao Inhotim, o acesso pela BR-381 está liberado. Já os acessos via BR-040, passando por Retiro do Chalé, Casa Branca ou Piedade do Paraopeba, estão bloqueados. Os serviços de transporte da Belvitur e da Saritur serão regularizados a partir deste sábado. Para mais informações, acesse nosso site.

    Confira nossa programação deste sábado:

    Visitas Panorâmicas

    Durante esta visita, nossos educadores promovem uma conversa e reflexão sobre o espaço do Inhotim e seus acervos, explorando as várias possibilidades de percurso. A visita é ideal para quem deseja conhecer um pouco sobre a história do Instituto e se inspirar para seguir seu próprio roteiro ao final do passeio.
    Horários: 10h, 11h, 12h, 13h, 14h e 15h (serão oferecidas seis visitas ao invés de duas como ocorre normalmente)

    Duração: 1h30min
    Local: saída da Recepção
    Observação: 25 vagas, inscrição no local 15min antes do horário de início
    Ativação da Galeria Marilá Dardot – Recreio In Situ

    Já imaginou que uma visita a um museu pode se assemelhar a uma tarde de sábado em um sítio? E que a sua participação em um dia de lazer educativo é uma engrenagem para que uma obra de arte aconteça? Alguns trabalhos expostos no Inhotim partem do princípio de que a interação do público é parte dos ciclos das obras. No sábado a equipe educativa do Inhotim convida a todos para uma ação coletiva de ativação. Venha experimentar um processo de imersão no trabalho “A origem da obra de arte” (2002), da artista Marilá Dardot.
    Plantar sementes, palavras e sentidos é um exercício de convivência, compartilhamento e construção conjunta.
    Horário: 10h às 12h e 14h às 16h
    Local: G17 – Marilá Dardot “A origem da obra de arte” (2002)
    Mediação em Ponto – Spider

    Aproveitando a inauguração da obra Spider (1996) da artista Louise Bourgeois, o Educativo Inhotim convida os visitantes para conhecerem o trabalho da artista, assim como seu simbolismo.
    Horário: 10h às 12h e 14h às 16h (o mediador estará disponível na galeria durante o horário mencionado)
    Local: G1 – Galeria Mata

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    30 de janeiro de 2019

    Redação Inhotim


    Leitura: 5 min

    Instituto Inhotim adia data de reabertura

    Instituto Inhotim adia data de reabertura

    Diante da triste tragédia que assola toda a região de Brumadinho/MG desde o dia 25/01, o Instituto Inhotim informa o adiamento de sua reabertura, prevista inicialmente para esta sexta-feira (01/02). A Instituição vem acompanhando de perto os desdobramentos do desastre e continua mobilizada para prestar apoio à comunidade e aos atingidos pelo rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão.

    A tragédia provocou impactos imediatos no Instituto, uma vez que, dos cerca de 600 funcionários que emprega, 80% moram na região. Desses, 41 têm familiares diretos desaparecidos ou com óbito declarado, e os demais procuram por amigos e pessoas conhecidas. O cenário está sendo diariamente avaliado pelo Comitê de Crise formado para entender os impactos do desastre e traçar medidas em conjunto com os órgãos competentes em busca de minimizar danos.

    Sendo uma instituição referência na região e entendendo que o desastre deixará marcas profundas e duradouras, o Inhotim está ciente que terá um papel crucial na recuperação de uma cidade abalada nos próximos anos. Cultura, arte, meio ambiente e educação, os grandes pilares do Instituto, são fundamentais para o desenvolvimento humano e da sociedade e continuarão sendo ponto de partida para a definição de ações futuras.

    O Instituto compartilha do luto e manifesta solidariedade a todas as pessoas direta e indiretamente afetadas pela tragédia. Reafirma, ainda, seu compromisso de possibilitar o acesso a seus relevantes acervos de arte contemporânea e botânica. A data de reabertura será comunicada assim que o Instituto avaliar o momento propício para abrir as portas novamente aos visitantes.

    Instituto Inhotim postpones the reopening date 

    Due to the devastating tragedy that has stroke the Brumadinho region since 01/25, Instituto Inhotim would like to inform the reopening date, which was initially going to happen this coming Friday (01/02), has been postponed. The Institute has been closely monitoring the developments of the disaster and remains mobilized to provide support to the community and to those affected by the collapse of the Córrego do Feijão tailings dam.

    The tragedy resulted in direct impacts on the Institute, as 80% of our 600 employees live in the region. Fourth-one of our employees have family members who are either missing or have died in the tragedy, and many others are still waiting to hear from their relatives and friends. A Crisis Committee has been gathered and has been assessing the situation on a daily basis. The purpose of this Committee is to understand the impacts of the disaster and plan joint actions  together with authorities in an attempt to mitigate the damage caused.

    Inhotim is a reference institution in the region and understands the tragedy will leave deep and everlasting scars in the region. The Institute understands it will play an important role in the recovery of the region, which will be shaken for years to come. Culture, art, environment and education are Inhotim’s major pillars and will be essential in the human and social development, continuing to be the starting point to define future actions.

    The Institute has been grief-stricken and shows its solidarity to all those who have directly or indirectly been affected by this tragedy. In addition, Inhotim reinforces its commitment to grant access to its valuable art and botanical collections. The reopening date will be timely informed, whenever the time to open its doors to visitors is deemed right.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    11 de dezembro de 2018

    Redação Inhotim


    Leitura: 4 min

    Movimentos que se transformam em sons

    Movimentos que se transformam em sons

    Depois de conhecer o pesquisador suíço Frédéric Bevilacqua em uma residência em Portugal, a coreógrafa e também pesquisadora Thembi Rosa se sentiu instigada pela mistura da tecnologia com dança que ele propõe em seus trabalhos. Fréderic é diretor do Centro de Interação do Movimento de Música Sonora do IRCAM em Paris, e criou a plataforma CoMo, que trabalha a interação entre movimento e som por meio de um aplicativo de celular que responde com diferentes sons aos diferentes movimentos. No começo do mês de dezembro, os dois vieram ao Inhotim, junto das  as artistas Margô Assis e Dorothé Depeauw, para uma oficina de improvisação e dança, misturando a tecnologia de Fréderic aos exercícios de concentração e dança de Thembi. O encontro foi uma oportunidade de provocar nas pessoas uma percepção sobre o próprio corpo, fortalecendo a importância dessa reflexão.

    A oficina “Interasomover _ coMo bamboo R-IoT” começou com os exercícios trazidos por Thembi de sua performance “Parquear”, trabalho já realizado no Inhotim em 2015. Nesse momento, o grupo foi convidado a elaborar uma coreografia espontânea usando bambus em itinerários que conectam pontos entre as pessoas, fazendo a leveza, a delicadeza, o lirismo, o tempo, o ritmo e o silêncio se encontrarem de diversas formas. Logo depois, Frèderic apresentou a plataforma CoMo aos participantes, explicando que ela foi criada com o objetivo de provocar a consciência da relação dos gestos com os sons, e a forma como elas possam ser exploradas. Depois disso, era hora de brincar com os sons e os movimentos, acionando os arquivos sonoros da plataforma CoMo com gestos, exercícios e danças improvisadas. Com um aparelho grudado ao corpo conectado ao aplicativo, era possível brincar com os sons. O braço mexia e se ouvia um barulho de chuva. As pernas levantavam e vinha o som de um relógio. Se o pé balançava, era o som de um rio… Quando todos os sons se juntavam, a dança virava uma orquestra.

    Para Thembi, para a fruição de qualquer obra de arte é importante que as pessoas tenham uma percepção de seu próprio corpo. “Eu acredito que a dança pode atuar muito nesse refinamento da nossa percepção. A interação do som com o movimento permite abrir essa escuta, com a presença do corpo ativando nossos sentidos, ajudando a gente a se relacionar com os mais diversos tipos de arte. Dançar é também se entender.”

    A oficina foi uma oportunidade de fazer do Inhotim, mais uma vez, um espaço para múltiplo formatos artísticos, para além das artes plásticas, se firmando como um ponto de encontro entre eles. Aqui, é possível exercer a liberdade de sentidos e descobrir as diversas provocações trazidas pelas experiências artísticas, sejam elas dentro da galeria ou fora.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    06 de novembro de 2018

    Redação Inhotim


    Leitura: 3 min

    Jovens do Laboratório Inhotim fazem performance inspirada em Hélio Oiticica

    Jovens do Laboratório Inhotim fazem performance inspirada em Hélio Oiticica

    Nesta quarta-feira (7/11), os jovens e as jovens que integram o projeto educativo Laboratório Inhotim irão realizar uma ativação poético-performática, nos lagos do Inhotim. Nove barcos de papel em grande formato serão lançados na água do lago próximo ao Restaurante Oiticica, transportando de uma margem a outra mensagens escritas em pequenos pedaços de papel. A ação parte de uma pesquisa e de uma reflexão realizada pelos jovens ao longo do ano sobre o conceito de ateliê, partindo de uma frase de Helio Oitcica que afirmava que “Museu é o Mundo”.

    Nesse ano de 2018 os jovens e as jovens que integram o projeto educativo Laboratório Inhotim se debruçaram sobre o significado de “ateliê” e sobre as diversas possibilidades, investigações e desdobramentos que cabem nesta palavra. Nesse movimento, o ateliê foi, no início, tratado como ateliê espaço físico, depois se transformou em papel, em caderno, em caminho, em comida, em corpo, em pele, em espaço “vazio” para gritar, em um antigo forno para queima de carvão, em visita á capital mineira e outros museus, em palavra falada, escrita e cantada, em roupas nunca usadas.

    Durante esse exercício houve uma ruptura para o conceito de museu, bem como sobre a relação do expectador e a experiência com a obra de arte, a exemplo da enfática frase de Hélio Oiticica. A ativação será uma oportunidade de explorar o museu de uma forma diferente, com a participação dos integrantes do projeto, de funcionários, funcionárias e visitantes que serão convidados a refletir sobre as diversas possibilidades de se expandir o conceite de ateliê. Assim, fazendo uso da nossa, boa e velha licença poética, queremos através das cores que flutuarão em forma de barco de papel, lançados no lago/ateliê, dizer em alta voz: “Ateliê é o mundo”.

    A performance acontece nesta quarta-feira (7/11), às 14h em frente ao Restaurante Oiticica. Participe!

    *O projeto Jovens Agentes tem o patrocínio da Vale e da Aliança Geração de Energia por meio de Lei Federal de Incentivo à Cultura.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 1 de 3212345...102030...Última »