• EN
  • 24 de maio de 2016

    Redação Inhotim


    Leitura: 4 min

    Amigos têm desconto para se hospedar

    Os membros do Programa Amigos do Inhotim têm desconto em hospedagens de Belo Horizonte (MG) e Brumadinho (MG). Para usufruir deste benefício, nos hotéis e pousadas parceiros, basta apresentar seu cartão do programa no momento do check-in. Caso você tenha feito a adesão on-line e ainda não tenha recebido o seu cartão, solicite uma declaração através do e-mail amigos@inhotim.org.br.

    Belo Horizonte

    Mercure BH Lourdes
    Av. do Contorno, 7.315, Lourdes
    Belo Horizonte – MG
    +55 31 3298-4100
    www.mercure.com

    Brumadinho

    Estalagem do Mirante
    Av. Nair Martins Drumond, 1000,
    Retiro do Chalé
    Brumadinho – MG
    +55 31 3575-5061
    +55 31 3575-5660
    www.estalagemdomirante.com.br

    Estalagem da Villa
    Av. Casa Branca, 524, Casa Branca
    Brumadinho – MG
    +55 31 3575-3220
    +55 31 99237-1818
    pousadaestalagemdavilla.com.br

    Hotel Fazenda Igarapés
    Estrada do retiro, 1000
    Igarapé-MG
    +55 31 3522-1918
    +55 31 99192-0961
    hotelfazendaigarapes.com.br

    Hotel Recanto Santo Agostinho
    Rua Diamantes, 400
    Mário Campos – MG
    +55 31 3577-227
    +55 31 99823-6542
    Oferta o jantar
    www.recantosantoagostinho.com.br

    Pousada Choro D’água
    Canela de Ema,175 – Casa Branca
    Brumadinho – MG
    +55 31 3575-3209
    +55 31 99981-3714
    pousadachorodagua.com.br

    Pousada Dona Carmita
    MG-040, Km 49, 1.508
    Brumadinho – MG
    +55 31 3571-3862
    pousadadonacarmita.com.br

    Pousada Estalagem do Vale
    Rua dos Camarás,109, Jardim
    Casa Branca, Casa Branca
    Brumadinho – MG
    +55 31 99983-2160
    +55 31 99342-1340
    www.estalagemdovale.com.br

    Pousada Fazenda Nova Estância
    Córrego do Feijão
    Brumadinho – MG
    +55 31 3643-0914
    +55 31 99984-2923
    www.pousadafazendanovaestancia.com.br

    Pousada Lafeli
    Rua Padre Antônio Guilherme Pires Costa, 179, Lourdes
    Brumadinho – MG
    +55 31 3571-1375
    +55 31 99895-7888

    Pousada Ranchico
    Estrada Piedade, Brumadinho, Km 03 s/n
    Marques – MG
    +55 31 99786-8312
    +55 31 99141-2279
    www.pousadaranchico.com.br

    Pousada Saumar
    Rua José Sampaio, 108, Santa Cruz
    Brumadinho – MG
    +55 31 3571-1210
    +55 31 98855-0704

    Pousada Verde Folhas
    Rua Onze, 110, Recanto da Aldeia
    Casa Branca
    Brumadinho – MG
    +55 31 99104-7524
    verdefolhas.com.br

    Pousada Vista da Serra
    Av. Casa Branca, 348, Casa Branca
    Brumadinho – MG
    +55 31 3484-1602
    +55 31 98778-3264
    www.vistadaserra.com.br

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    13 de maio de 2016

    Redação Inhotim


    Leitura: 4 min

    Instituto Inhotim e PNUD assinam acordo para alinhar ações de sustentabilidade

    pnud_blog1

    Como importante passo para o processo de internacionalização do Inhotim, o Instituto assinou hoje o Memorando de Entendimento em parceria com o Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD). O documento busca formular e implementar uma estratégia de sustentabilidade do Instituto, em alinhamento com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e os Objetivos Globais. Estiveram presentes o coordenador-residente do Sistema ONU no Brasil, Niky Fabiancic, o presidente do Conselho de Administração do Instituto Inhotim, Bernardo Paz e o assessor sênior do PNUD, Haroldo Machado Filho.

    Em setembro de 2015, o PNUD aprovou a Agenda 2030 para Desenvolvimento Sustentável. O documento lista 17 objetivos a serem alcançados nos próximos 15 anos que reúnem três dimensões do desenvolvimento sustentável: econômica, ambiental e social. O foco é atingir objetivos em escala global, envolvendo também países já desenvolvidos, em busca de novos padrões de produção de consumo que eles já adotam.

    Para o Inhotim, a parceria significa o reconhecimento do trabalho que o Instituto desenvolve ao longo desses 10 anos com seus visitantes, funcionários e comunidade ao redor. Isso acontece por meio das atividades educativas, como o Laboratório Inhotim e Descentralizando o Acesso; atividades ambientais, como o processo de compostagem realizado diariamente; além de parcerias que contemplam estratégias de sensibilização global para os problemas da mudança climática, como a firmada com o BID em 2015.

    Durante a cerimônia, Haroldo diz ter visto no Inhotim uma aderência do que é feito no Instituto “de forma prática e concreta” a tudo que a agenda contempla. “ Tenho certeza que essas duas instituições, quando se aproximam, têm muito a contribuir mostrando exemplos concretos de desenvolvimento humano e sustentável”, afirmou.

    Nick também falou das ótimas expectativas dessa parceria para o alcance de resultados positivos. “Temos a intenção de promover um debate qualificado acerca dos desafios para o alcance do desenvolvimento sustentável, erradicação da pobreza sobretudo no entorno do Instituto, com possibilidade inclusiva de realizar conjuntamente eventos que estimulem a reflexão e produção de conhecimento sobre esses temas listados na Agenda”, completou. Para Bernardo Paz, o memorando significa a oportunidade de se criar uma nova era. “Nós começamos a viver esta era há 10 anos atrás: com a beleza, com os jardins, com a arte e com a educação”, disse.

    Pnud_2

    (da esq. para dir.) Raquel Novais, Diretora Executiva Adjunta do Inhotim, Bernardo Paz, Presidente do Conselho de Administração do Inhotim, Niky Fabiancic, Coordenador-residente do Sistema ONU no Brasil e representante-residente do PNUD, Antonio Grassi, Diretor Executivo do Inhotim e Haroldo Machado Filho, Assessor Sênior do PNUD.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    03 de maio de 2016

    Redação Inhotim


    Leitura: 2 min

    Mudanças nos pontos de alimentação do Inhotim

    Mudanças nos pontos de alimentação do Inhotim

    A partir deste sábado (30 de abril), o Restaurante Oiticica abre todos os dias de visitação. Além dessa alteração, a abertura das lanchonetes também varia de acordo com dias de funcionamento normal e dias com fluxos maiores, como feriados e férias escolares.

    Seguem os horários e dias de abertura:
    Restaurante Tamboril
    Funcionamento todos os dias de abertura do Parque.

    Terça a Sexta
    12 ás 16h
    Sábados, Domingos e Feriados
    12h ás 17h

    Restaurante Oiticica
    Aos fins de semana, feriados e quartas-feiras, bufê a R$ 22,00 por pessoa, permitindo o cliente se servir somente uma vez. Às terças, quintas e sextas, é servido o prato do dia.

    Terças, quintas e sextas – (Prato do dia – R$ 22,00 por pessoa – bebidas não inclusas)
    12h às 16h
    Quartas, Sábados, domingos e feriados (Bufê R$ 22 por pessoa – bebidas não inclusas)
    Quarta – 12h às 16h
    Sábado, Domingo e Feriado – 12h às 17h

    Lanchonetes (a partir de terça-feira, 3 de Maio)
    De terça a sexta: Café do Teatro, Estacionamento e Recepção
    Sábado e domingo: Café do Teatro,  Miguel Rio Branco, Palm Pavilion, Recepção e True Ruge.

    Feriados e férias escolares: Além dos pontos citados acima, ficam abertos Fonte, Galpão, Igrejinha e Rivane.

    Horários das lanchonetes:
    Dias úteis: 9h30 às 16h
    Fins de semana e feriados:
    Café do Teatro, True Ruge: 9h30 às 17h
    Miguel Rio Branco e Palm Pavilion: 10h às 16h
    Estacionamento e Recepção: 9h30 às 17h30

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    19 de abril de 2016

    Redação Inhotim


    arteinauguraçãoinhotim

    Leitura: 5 min

    Desenhos feitos por índios Yanomami revelam mitos e tradições

    Desenhos feitos por índios Yanomami revelam mitos e tradições

    Inaugurada em novembro de 2015, a Galeria Claudia Andujar apresenta uma ampla seleção de fotografias da artista, realizadas nos períodos em que viveu com os índios Yanomami. Curiosa para conhecer a cultura da tribo, a fotógrafa propôs algo inusitado. Ofereceu papel e pinceis atômicos a um grupo de indígenas e pediu que desenhassem seu habitat, mitos e tradições. Eles nunca haviam tido contato com esses materiais. O resultado da experimentação, realizada ainda na década de 1970, também pode ser visto na exposição inaugural do pavilhão.

    Os desenhos reunidos na mostra foram realizados por quatro artistas – André, Poraco, Vital e Orlando – e revelam aspectos diversos da vida dos Yanomami, narrativas de mitos, além de padronagens comuns às pinturas corporais e à decoração de objetos. Em Sem título (Yoassi grávido), 1976, Poraco apresenta sua percepção da geração de um dos filhos de Omama, divindade responsável pela criação do universo. Já em Sem título (Fazer muito amor com a mulher), 1976, do mesmo artista, linhas e pontos representam de maneira abstrata a relação sexual.

    Da esquerda para a direita, no segundo quadro é possível ver a representação Sem título (Fazer muito amor com a mulher). Foto: William Gomes

    Da esquerda para a direita, no segundo quadro é possível ver a representação Sem título (Fazer muito amor com a mulher). Foto: William Gomes

    A curadora assistente do Inhotim, Cecília Rocha, explica que a presença desses trabalhos em um centro de arte contemporânea ajuda a ampliar a ideia do que é arte. “Temos o costume de definir arte a partir da tradição europeia. Desde o final da década de 1980 e o início dos anos 1990, alguns grandes museus têm feito tentativas de mostrar trabalhos de fora dos centros hegemônicos. O movimento de olhar para a produção indígena como fizemos aqui vem desse momento. A proposta, é contar uma outra história da arte, baseada em outros temas e formas de produzir”, reflete.

    Mitopoemas Yanomami

    Os desenhos criados por incentivo de Andujar também deram origem ao livro “Mitopoemas Yãnomam”, que pode ser visto na exposição. À medida que os indígenas finalizavam as imagens, a artista pedia que narrassem o que haviam criado. Com a ajuda do missionário Carlo Zacquini, que gravou e traduziu as descrições, ela organizou a publicação, que apresenta a mitologia e a visualidade Yanomami.

    Claudia Andujar no Inhotim

    Ao longo de 40 anos, a fotógrafa Claudia Andujar produziu um extenso arquivo de imagens sobre os Yanomami, povo indígena que vive na Amazônia brasileira, no estado de Roraima. As fotografias, feitas durante diversos períodos de convívio com os índios, são parte de uma ampla pesquisa artística e etnográfica desenvolvida por ela. No Inhotim estão expostas mais de 400 imagensl que revelam a aproximação da artista com os Yanomami e também seu ativismo, fundamental para a demarcação de terras indígenas em 1992.

    Claudia Andujar viveu entre os índios por cerca de 30 anos, tempo em que retratou seu ponto de vista diante da realidade da tribo Yanomami. Foto: William Gomes.

    Claudia Andujar viveu entre os índios por cerca de 30 anos, tempo em que retratou seu ponto de vista diante da realidade da tribo Yanomami. Foto: William Gomes.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    15 de abril de 2016

    Redação Inhotim


    artebrumadinhocomunidadeeducaçãomeio ambiente

    Leitura: 6 min

    Um passeio pelo passado do Inhotim

    Um passeio pelo passado do Inhotim

    A rota amarela é a mais antiga do mapa do Inhotim, onde funcionava a sede da fazenda que deu origem ao Parque. Atualmente, o espaço onde era a antiga fazenda foi adaptado e hoje é usado para realização de eventos, com salas e escritórios. Ao redor, a árvore Tamboril – um dos 30 destaques botânicos do Instituto – se confunde com a história do próprio Inhotim. Acredita-se que o exemplar tenha sido plantado entre as décadas de 1930 e 1940, quando a região ainda era uma vila, representando assim um dos mais antigos do acervo. Caminhar pela rota amarela é uma chance de ter contato com o passado do Instituto.

    Preparamos uma lista de curiosidades que podem servir de inspiração para o seu próprio roteiro e para que você conheça um pouco melhor o Inhotim e toda sua trajetória.

    blog22

    1 – Rivane Neuenschwander – A casa branca que abriga a obra “Continente/Nuvem” é a mais antiga construção da fazenda, com cerca de 140 anos de existência. O lugar se tornou ainda mais especial por ter sido, durante um bom tempo, usado como espaço principal do Educativo do Inhotim. Lá, os encontros semanais aconteciam com os grupos de jovens integrantes do projeto. A obra da artista mineira é um exercício poético de ver desenhos nas nuvens, olhando para o teto da casa. A dica é visitar o espaço de manhã e depois voltar no fim da tarde para admirar as diferentes formas que aparecem em sintonia com o vento. Do lado de dentro, não deixe de reparar nas janelas emoldurando o bonito jardim plantado fora da galeria.

    2 – Galeria Mata – Foi a primeira construída no Inhotim. O espaço já abrigou várias exposições temporárias que deixaram marcas no espaço. A obra “Viewing Machine”, de Olafur Eliasson, e “Palindromo Incesto“, trabalho de Tunga que foi um dos primeiros a integrar a coleção do Instituto, “Seção Diagonal”, de Marcius Galan, e “Falha”, de Renata Lucas, já ficaram neste pavilhão. Atualmente, a galeria abriga a exposição temporária “Por aqui tudo é novo”, que coloca em evidência produções de artistas mais jovens da Coleção Inhotim, como Pablo Accineli, Erika Verzutti e Sara Ramo, ao mesmo tempo que reapresenta trabalhos como a instalação “Método para Arranque e Deslocamento“, de José Damasceno, anteriormente exposta na mesma galeria, em 2007.

    Vale a pena chegar perto e observar os detalhes das esculturas de John Ahearn e Rigoberto Torres, inspiradas em pessoas reais. Foto: William Gomes.

    Vale a pena chegar perto e observar os detalhes das esculturas de John Ahearn e Rigoberto Torres, inspiradas em pessoas reais. Foto: William Gomes.

    3- Abre a porta e Rodoviária de Brumadinho – Os artistas Rigoberto Torres e John Ahearn passaram cerca de três anos em residência no Inhotim, época em que desenvolveram uma série de trabalhos na comunidade de Brumadinho. As obras em exposição são painéis que conectam o Instituto ao contexto em que ele está inserido. Em “Abre a porta”, uma tradicional celebração é retratada: a procissão dos grupos locais de Congada e do Moçambique. O outro painel surgiu após a experiência dos artistas instalarem na rodoviária da cidade um ateliê como forma de entender e absorver a dinâmica do local. Com o tempo, perceberam que se tratava de um centro de convivência onde até mesmo apresentações de dança aconteciam. Após inspirarem-se em pessoas reais para elaborar as esculturas, surgiu a obra “Rodoviária de Brumadinho”. Todas as esculturas foram inspiradas em pessoas reais.

    Quer saber quais outras obras e destaques botânicos te esperam na rota amarela? Baixe o mapa e visite o Parque sem pressa!

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 20 de 42« Primeira...10...1819202122...3040...Última »