• EN
  • 25 de novembro de 2014

    Redação Inhotim


    arteexposiçãoinauguraçãoparceriaprogramação cultural

    Leitura: 7 min

    Inhotim faz exposição gratuita em BH

    Inhotim faz exposição gratuita em BH

    A partir de 12 de dezembro, o Palácio das Artes e o Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, em Belo Horizonte, recebem a exposição “Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim”. Com entrada gratuita, a mostra itinerante marca a primeira vez em que parte do acervo do Instituto Inhotim deixa sua sede, em Brumadinho (MG). As mais de 50 obras apresentadas datam dos anos de 1950 até os dias de hoje e propõem um recorte do acervo que examina a formação do campo da arte contemporânea a partir da coleção e do programa da instituição, inaugurada ao público em 2006. Aberta a visitação até 8 de março, a exposição tem correalização da Fundação Clóvis Salgado e, em abril de 2015, segue para o Itaú Cultural, na capital paulista.

    A exposição toma como ponto de partida um momento histórico em que a arte deixa de se resumir a objetos para existir de maneira mais aberta para o mundo. Nesse contexto, elementos do cotidiano, do espaço real, da política e do corpo são incorporados e o espectador se transforma em participante. Segundo o diretor de arte e programas culturais do Inhotim e curador da exposição, Rodrigo Moura, essa é uma oportunidade de conhecer melhor a coleção do Instituto, uma vez que a maioria dos trabalhos nunca foi exibida no parque. “São obras que deixam perceber possíveis caminhos na história da arte dos últimos 50 anos, que permitiram ao Inhotim ser o que é”, explica.

    A presidente da Fundação Clóvis Salgado, Fernanda Machado, chama a atenção para a importância da circulação do acervo de Inhotim. “Ficamos muito felizes em receber, pela primeira vez, esse rico acervo de Inhotim. Entendemos se tratar de um projeto audacioso, que pretende contemplar o público com uma grande variedade de obras de arte. Acreditamos que essa parceria nos permite ampliar as diretrizes da Fundação Clóvis Salgado e estender o acesso à cultura a um maior número de pessoas”.

    Percurso em quatro Núcleos
    Na Grande Galeria do Palácio das Artes, obras históricas dialogam com trabalhos mais recentes. Organizado em quatro núcleos, o percurso parte do neoconcretismo de Hélio Oiticica, Lygia Clark e Lygia Pape; passa pela geometria conceitual de Channa Horwitz, Cildo Meireles e David Lamelas e pelo vanguardismo do grupo Gutai, surgido no pós-guerra do Japão, chegando ao acionismo e à presença do corpo na arte, como no trabalho de Chris Burden. Essas obras são apresentadas em diálogo com artistas de outras gerações, como Gabriel Sierra, Jac Leirner, Cinthia Marcelle, entre outros.

    Já as galerias no piso inferior abrigam instalações de maior escala de Ernesto Neto, Jorge Macchi,Mauro Restiffe, Melanie Smith, Rivane Neuenschwander e Thomas Hirschhorn. No Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, prédio histórico no centro da cidade, a videoinstalação Homo sapiens sapiens (2005) de Pipilotti Rist, será exibida pela primeira vez no Brasil. Filmada no Inhotim antes da abertura do parque à visitação livre, a obra explora os jardins do Instituto e cria um ambiente de imersão para que o visitante mergulhe nas imagens projetadas no teto.
     
    Do Corpo à Terra
    O título da exposição também faz referência à manifestação do Do Corpo à Terra, que aconteceu durante a inauguração do Palácio das Artes, em abril de 1970. Organizado pelo crítico Frederico Morais, é considerado ainda hoje um marco das investigações sobre arte ambiental e experimentalismo de vanguarda no Brasil. Duas produções realizadas na ocasião integram a mostra: Ação no Parque Municipal, 1970, de Décio Noviello, e Situação T/T, 1 – Belo Horizonte, 1970, de Artur Barrio.
     

    CONVERSAS DE ABERTURA
    Os primeiros dias da exposição terão programação especial, com conversas entre artistas e curadores.

    12 de dezembro (sexta-feira), às 19h30 – Palácio das Artes – Sala Juvenal Dias
    Os artistas David Lamelas e Jorge Macchi responderão perguntas elaboradas pelos curadores Rodrigo Moura e Inês Grosso.
    Lotação máxima: 170 pessoas. Entrada gratuita, por ordem de chegada.
    Tradução simultânea espanhol-português.

    13 de dezembro (sábado), às 14h30 – Palácio das Artes – Sala Juvenal Dias
    Cildo Meireles, Décio Noviello e Frederico Morais participam de conversa com mediação da curadora Júlia Rebouças.
    Lotação máxima: 170 pessoas. Entrada gratuita, por ordem de chegada.
    EXPOSIÇÃO
    DO OBJETO PARA O MUNDO – COLEÇÃO INHOTIM
    Onde: Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro, Belo Horizonte/ MG) e Centro de Arte Contemporânea e Fotografia (Av. Afonso Pena, 737, Centro, Belo Horizonte/MG).
    Quando: de 12 de dezembro de 2014 a 8 de março de 2015. Terça a sábado, das 9h30 às 21h. Domingo, das 16h às 21h.

    Programa de visitas:
    – Durante a semana, o Programa Educativo em Artes Visuais da FCS atende ao público espontâneo e agendado. Para grupos a partir de seis pessoas, é necessário fazer o agendamento por telefone: (31) 3236-7471 ou por e-mail: agendamento.educativo@fcs.mg.gov.br.
    – Aos sábados, domingos e feriados, os educadores propõem um percurso temático, que reflete sobre as obras e os artistas apresentados. Saídas: Sábados, às 10h30 e 18h30. Domingos, às 16h30.

    A exposição “Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim” é realizada pelo Ministério da Cultura, tem apresentação do Inhotim e Itaú e correalização da Fundação Clóvis Salgado.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    28 de outubro de 2014

    Maria Eugênia Salcedo Repolês

    Gerente de Educação Transversal do Inhotim


    brumadinhocomunidadehistóriaprogramação cultural

    Leitura: 8 min

    O início de uma mudança

    O início de uma mudança

    Traçar o início de uma mudança é difícil. Começa quando temos a ideia? Quando a ideia toma forma ou quando mais pessoas partilham da mesma?

    Podemos dizer que tudo começou no último 23 de agosto, dia no qual aconteceu no Teatro do Inhotim um encontro para entender os bastidores do trabalho de programação cultural. Na ocasião, o principal convidado foi Álvaro Restrepo, fundador e representante do incrível Colégio Del Cuerpo em Cartagena, Colômbia. O principal objetivo do encontro era o de criar um momento de reflexão sobre programação, curadoria e cultura, para que os jovens ligados aos programas socioeducativos do Inhotim pudessem tirar dúvidas e se preparar para as suas práticas propositivas. Os outros convidados? Músicos e artistas da cidade de Brumadinho e Belo Horizonte, jovens da cidade, funcionários do Inhotim. Estávamos todos cada vez mais unidos pelas palavras do coreógrafo e dançarino colombiano.

    “O corpo é o nosso tempo.” Disse Restrepo, e complementou com uma observação sobre sua visita ao Inhotim: “Um lugar como este nos ajuda a sentir o tempo, ou seja, nos ajuda a sentir o nosso corpo. Temos que vir e dedicar tempo a esta experiência.”

    Álvaro Restrepo LEGENDA. Foto: Daniela Paoliello.

    Álvaro Restrepo no Seminário de Programação Cultural do Inhotim. Foto: Daniela Paoliello.

    Na sequência, falou sobre sua proposta política e cultural de uma espécie de “supra-ministério” para a paz. Nesta proposta, a cultura assume um papel central aliado a economia, comunicação, saúde, meio ambiente e educação. “Objetiva-se uma educação para a sensibilidade. Devemos mudar o imaginário de como somos e como podemos criar relações entre pessoas.”

    No momento desta fala, olhei ao meu redor no teatro. Jovens de Brumadinho ouviam Álvaro relatar detalhes da experiência em Cartagena, na rua, em vários cantos da Colômbia, nas salas de aula. Percebo que alguns não usam o aparelho da tradução simultânea. A princípio, me preocupo que talvez estes que optaram por não ouvir a tradução, possam não estar entendendo tudo. Rapidamente, reparo que estão tão imersos quanto eu no relato desta experiência que tem mobilizado aproximadamente 8 mil crianças durante 17 anos. Vejo os jovens movidos, tocados, acordados pelo agito silencioso e coletivo que invade o Teatro do Inhotim. Estamos todos pensativos. Uma ideia prevalece em mim: estamos todos ouvindo detalhes sobre uma experiência exemplar de transformação, sendo que somos também participantes e testemunhas do nosso próprio processo de transformação pela educação. É por isso que havia uma certa união e cumplicidade dentre o público presente naquele dia. Artistas, jovens, funcionários do Inhotim, moradores da cidade. Conheço quase todas as pessoas presentes e os conheço porque a minha educação cotidiana se dá por meio de cada um deles. Somos responsáveis pela educação uns dos outros. Somos responsáveis pelas transformações diárias que acontecem e transformam o nosso ambiente.

    lab-inhotim-seminario2

    Os alunos do projeto Laboratório Inhotim agora também são programadores culturais. Foto: Daniela Paoliello.

    Álvaro Restrepo falou de interdependência. De romper com a solidão do individualismo. Solidão que nos impede de compartilhar as nossas dores, mas que também nos priva de cerimônia ou comemorações coletivas. A solidão é uma violência que pode ser mudada. Ele fala de cultura e da dança como uma atitude, um aprendizado, uma forma de “esculpir o corpo individual e coletivo”. Nos ensina que “tocar é um aprendizado ético também”.

    Finalmente, nos convoca a refletir sobre em qual momento da humanidade perdemos o sentido da conexão e integração com a paisagem e com a beleza. Precisamos recuperar o diálogo e os momentos de conexão. Rapidamente as perguntas e comentários se acumulam no público. Algumas pessoas já estão com o microfone nas mãos, outras fazem anotações, alguns jovens falam no meu ouvido: “Temos ideias para o festival de rua em Brumadinho!”.

    Ouço o educador Eduardo Martins Cunha dizer ao microfone “…é na educação que podemos fazer a manutenção das nossas utopias.” Nesse momento ocorreu uma mudança em mim. Estava, assim como os jovens da cidade de Brumadinho, inspirada e desejosa para colocar as ideias em prática. O que podemos fazer junto com estes artistas e parceiros? Qual espaço da cidade melhor acolhe estas ideias? O que daremos conta de fazer até novembro? Não pode circular dinheiro no nosso evento! Vamos fazer atividades com o público similares às que fazemos em pesquisa no Inhotim. Queremos que haja um piquenique! Traçar o início de uma ação coletiva é difícil. Começa quando uma pessoa deseja mudança ou quando mais pessoas partilham do mesmo desejo?

    Assim (re)nasceu o Laboratório Mambembe. A ideia é antiga, o planejamento por trás foi enorme e cheio de parceiros. Os propositores principais são os jovens moradores de Brumadinho e participantes de programas educativos do Inhotim. O corpo de cada um deles foi o primeiro lugar de se colocar as ideias em prática. O segundo, é a cidade de Brumadinho. Sei que este evento será, de uma maneira ou outra, o exercício de pequenas utopias escolhidas pelos jovens. Será também uma mudança no planejamento futuro de alguns dos programas educativos da instituição e, esperamos, um momento de mobilização do corpo coletivo da cidade de Brumadinho.

    Estão todos convidados!

    Laboratório Mambembe
    Sábado, 1º de novembro
    De 12h às 21h
    Praça Antônio Carlos Cambraia
    Brumadinho – MG

    Saiba mais sobre o evento e leia o manifesto escrito pelos jovens propositores.

    Conheça o trabalho fantástico do Colégio del Cuerpo.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    16 de outubro de 2014

    Redação Inhotim


    músicaprogramação cultural

    Leitura: 2 min

    Música Contemporânea no Inhotim

    Música Contemporânea no Inhotim

    No próximo domingo, 19/10, o projeto Inhotim em Cena 2014 encerra sua programação com o Ciclo de Música Contemporânea. Nesta quarta edição, o grupo mineiro Sonante 21 apresenta, juntamente com a cantora americana Martha Herr, a peça Pierrot Lunaire, uma das obras mais influentes da música do século 20. O concerto traz também a estreia de uma composição do mineiro Rogério Vasconcelos, encomendada pelo Inhotim.

    Escrita em 1912 por Arnold Schoenberg, Pierrot Lunaire é formada por três grupos de sete canções, baseadas em poemas do belga Albert Giraud traduzidos para o alemão. A composição tem caráter expressionista e atonal e faz uso do sprechstimme, técnica vocal intermediária entre o cantar e o falar.

    Sonante 21

    Criado em 2009 pelo músico Fernando Rocha, o grupo mineiro se dedica à pesquisa e performance de obras de câmara de autores contemporâneos, com ênfase em composições brasileiras da segunda metade do século 20 e 21. Nessa apresentação, o grupo terá a seguinte formação: Guida Borghoff (piano), Rommel Fernandes (violino), Elise Pittenger (cello), Maurício Freire (flauta) e Alexandre Silva (clarinete).

    O Inhotim em Cena tem apresentação da Pirelli, patrocínio dos Correios, apoio da Saritur, participação da Fundação Clóvis Salgado e parceria de Mídia da Sou BH.

    Serviço:

    Ciclo de Música Contemporânea com Sonante 21 e Martha Herr

    Instituto Inhotim – Rua B, 20 – Brumadinho/MG

    Data: 19 de outubro

    Horário: 15h

    Local: Teatro Inhotim

    Entrada por ordem de chegada, 30 minutos antes do concerto. Lotação 210 lugares

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    08 de outubro de 2014

    Francisco Bosco

    Poeta, letrista, filósofo e escritor. Filho do músico João Bosco.


    músicaprogramação cultural

    Leitura: 6 min

    Passagem de som

    Passagem de som

    Eis uma cena que venho testemunhando inúmeras vezes, já há muitos anos: quando João Bosco vai testar o som, com o teatro ainda fechado, horas ou momentos antes de iniciar o show, as poucas pessoas que, de algum modo, podem estar por ali, vão, aos poucos, interrompendo seus afazeres. Algumas chegam a sentar nas poltronas, como se fossem o público oficial, atraídas pelo que se passa no palco. Ali está João Bosco interpretando músicas de seu repertório doméstico, íntimo, afetivo. Canções que nunca gravou, nem mesmo executou publicamente. Um repertório surpreendente, que percorre desde standards do jazz a trilhas de cinema, passando por clássicos do nosso cancioneiro, invariavelmente reinventados nos termos próprios do seu universo musical. Ninguém se levanta até que aquela apresentação particular tenha fim. Não foram poucas as vezes que já o vi ser aplaudido, ali, no aquecimento, antes mesmo de a bola rolar.

    Nada mais apropriado para tornar propriamente pública essa cena, pela primeira vez, do que fazê-lo no ambiente experimental do Inhotim, no próximo domingo, 12/10, às 15h. A passagem de som é uma experiência musical protegida das dimensões comerciais e industriais, tantas vezes banalizadas, da música popular. É a cena da pura artesania, do amadorismo, da informalidade das formas mais avançadas, do artista como se estivesse a sós com suas ideias e desejos musicais. É o território da plena liberdade criativa, que uma instituição como o Inhotim acolhe e propicia.

    Experimental, o show terá João Bosco apresentando suas leituras particulares de clássicos e pérolas obscurecidas pelo tempo, e conversando com o público sobre elas. Ele fala sobre as canções, seus autores, seus modos de pensar a música e os modos como ele, João Bosco, as repensou. Música e metamúsica, portanto.

    O repertório inclui supresas, como a versão do standard “My favourite things”, já radicalmente transcriado por John Coltrane, que, em passos gigantes, transformou a canção ingênua da trilha de A noviça rebelde em um transe jazzístico sem qualquer inocência. João Bosco dá outro salto e conduz a canção a Áfricas que ela jamais imaginou conter.

    Em “Estate”, consagrada por João Gilberto no disco Amoroso, João Bosco submete a canção a um pensamento musical como que oposto ao do pai da bossa nova. Se João Gilberto tinha por método repetir a canção várias vezes, aprofundando-a como numa espécie de mantra, numa circularidade característica da música modal, João Bosco leva a canção a uma espécie de discussão, criando para ela um improviso especial e uma melodia alternativa, paralela à original que tocamos abstratamente em nossa memória.

    Num tal cenário físico e mental, o artista mineiro não poderia deixar de trazer à tona suas próprias Minas Gerais. É assim que ele interpreta o clássico seresteiro “Noite cheia de estrelas”, de Cândido das Neves (morto em Conselheiro Lafaiete, em decorrência de uma pneumonia adquirida no sereno de uma serenata), articulando-a ao clássico universal “Because”, dos Beatles, tornados música mineira pela borgiana influência retrospectiva que neles exerceu o Clube da Esquina, e faz o percurso musical desaguar em “Caça à raposa”, com o barroquismo onírico de suas melodia e letra.

    Minas ainda retorna quando João Bosco uni o samba “João do Pulo” (também dele e Aldir Blanc) à sua leitura de “Clube da esquina 2”. A associação, aqui, é, digamos, sócio-musical. O campeão mundial brasileiro, negro, que teve a perna amputada, é identificado à ambiguidade da música de Milton Nascimento, tão objetivamente triste, tão subjetivamente alegre. Como se em ambos se revelasse a própria ambivalência brasileira, seus problemas sem solução, suas soluções sem problemas. Nosso mesmo núcleo originante de venenos e remédios, para usar a expressão de José Miguel Wisnik.

    Muito mais há: “Invitation” (Bronislaw Kapper), “Lujon” (Henry Mancini), “April child” (Moacir Santos), “Medo de amar” (Vinicius de Moraes), além de alguns dos sempre esperados sucessos de sua autoria. Mas não devo estender tanto esse texto. O som de João Bosco passa, no Inhotim, por grandes ideias musicais – iluminando-as, ressignificando-as, mostrando aproximações insuspeitadas e diferenças singulares – como quem passeia pelas obras nos jardins realizando seus próprios percursos mentais. Parafraseando o crítico literário, é um caso atípico, e imperdível, de ideias dentro do lugar.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    06 de outubro de 2014

    Redação Inhotim


    educaçãomeio ambienteprogramação cultural

    Leitura: 4 min

    Semana da Criança no Inhotim

    Semana da Criança no Inhotim

    Para comemorar a Semana da Criança, o Inhotim apresenta uma programação especial entre 11 e 17 de outubro, com ações que se estendem até o fim do mês. As equipes do Instituto prepararam atividades lúdicas e educativas variadas, que incluem também os mais velhos! Confira abaixo e programe-se:

     

    Caça ao Tesouro

    Bússolas, mapas e enigmas ajudam os participantes a encontrar um tesouro escondido nos jardins do Inhotim.

    Quando: 11/10 (sábado) e de 14 a 17/10 (terça à sexta-feira), às 11h e às 14h

    Saída: recepção

    caça ao tesouro

    Colônia Pequenos Propositores

    Atividades em período integral para crianças de 4 a 7 anos. Pela manhã, enquanto os pais visitam o Inhotim, são realizadas atividades educativas. À tarde, eles são convidados a integrar uma ação criada pelas crianças e educadores.

    Quando: 12/10 (domingo) e 14/10 (terça-feira), de 11h às 12h30 e de 14h às 16h30

    Saída: recepção

    Limite de 10 vagas por dia. As inscrições podem ser feitas pela Central de Informações: info@inhotim.org.br

    Colônia de Ferias Inhotim

    Circuito Entre Borboletas

    Além de possuírem cores e formas incríveis, as borboletas têm grande importância para os ecossistemas. Em uma expedição pelo parque que leva até o Viveiro Educador, os visitantes descobrem curiosidades sobre a vida desses animais. A atividade é fruto de uma pesquisa científica desenvolvida no Inhotim, em 2013, que mapeou as espécies de borboletas existentes na área de visitação.

    Quando: 04, 05, 11, 12, 25 e 26/10 (sábados e domingos), às 10h30

    Saída: recepção

    Borboletas

    Espetáculo

    Buraco – dança para crianças

    Com passagens por Berlim, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, a peça chega ao Inhotim e promete surpreender crianças e adultos. Para a coreógrafa Elisabete Finger, buracos são mais que simples aberturas: “são passagens para outros lugares, são portais para outros mundos”. Esse universo ganha vida com a coreografia, que explora relações espaciais como dentro e fora, vazio e cheio, aberto e fechado. A apresentação será seguida de uma oficina na qual as crianças podem interagir com o cenário da peça.

    Quando: 10 a 12/10. Sexta-feira e sábado, às 15h, domingo, às 13h30

    Local: Teatro do Centro de Educação e Cultura Burle Marx

    Entrada por ordem de chegada, 30 minutos antes do espetáculo. Lotação: 210 lugares. Oficinas: sábado, às 16h30, e domingo, às 13h. 25 vagas por dia. As inscrições podem ser feitas pela Central de Informações: info@inhotim.org.br

    Buraco

    Compre seu ingresso com antecedência aqui e aproveite a Semana da Criança no Inhotim.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 5 de 11« Primeira...34567...10...Última »