• EN
  • 08 de maio de 2014

    Redação Inhotim


    arteeducaçãoinhotim escolaprogramação cultural

    Leitura: 2 min

    Marcius Galan e Espaço

    Marcius Galan e Espaço

    “No meu trabalho, o espaço é um assunto recorrente e é tratado de maneiras muito distintas. Proponho exercícios que vão desde instalações onde a percepção do espectador é testada, às vezes desconstruindo a ideia de precisão nas representações do espaço (mapas, plantas arquitetônicas, etc..) e até em relações banais com os espaços de preenchimentos burocráticos do dia a dia. São escalas diferentes de atuação, mas tratados com a mesma intensidade.”

    Marcius Galan, sobre sua relação com a palavra espaço.

    O artista, que possui duas obras em exibição no Inhotim, é um dos participantes do Seminário Espaço Trabalho e História. O evento acontece nos dia 23 e 24 de maio, no Museu Histórico Abílio Barreto e é gratuito. Veja a programação completa aqui.

    Conheça um pouco mais sobre Marcius Galan e seu trabalho nos vídeos a seguir:

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    30 de abril de 2014

    Redação Inhotim


    arteeducaçãoinhotim escolaprogramação cultural

    Leitura: 9 min

    Seminário Espaço, Trabalho e História

    Discutir questões contemporâneas e suas conexões com o universo do Inhotim. Essa é a proposta do Seminário Espaço, Trabalho e História, que o Inhotim Escola realiza nos dias 23 e 24 de maio, em Belo Horizonte. Durante o evento, três mesas redondas reúnem artistas, pensadores e três importantes nomes do acervo do Instituto: Adriana Varejão, Marilá Dardot e Marcius Galan.

    “Nossa ideia é promover um espaço criativo de debate sobre algumas questões que parecem centrais para a arte contemporânea, o foco de trabalho do Inhotim, mas também para o nosso tempo, de um modo geral. O seminário não tem enfoque acadêmico ou estritamente teórico, queremos com ele trazer abordagens subjetivas, sensíveis, mas também críticas, que partam do campo de trabalho e de atuação de cada um”, explica a curadora Júlia Rebouças, responsável pelo programa.

    As mesas serão compostas por três convidados cada, sendo um teórico, um artista da coleção do Instituto e um artista de outra disciplina e mediadas pelos curadores Júlia Rebouças e Rodrigo Moura, diretor de arte e programas culturais do Inhotim. O evento dá continuidade ao seminário Natureza, Tempo e Poesia, realizado no lançamento do Inhotim Escola em 2013. Confira a programação completa:

    Mesa Espaço

    23 de maio, às 19h30

    Mediação: Júlia Rebouças

    Convidados:

    Marcius Galan formou-se em Educação Artística pela FAAP e manteve residências na Cité des Arts, em Paris, e no Art Institute de Chicago. Venceu o prêmio Pipa, em 2012, que o levou ao Programa de Residências Gasworks. Possui duas obras em exposição no Inhotim: Seção Diagonal (2008) e Imóvel/Instável (2011), que criam diálogos sobre a escultura, a ilusão e a percepção do espaço.

    Seção Diagonal

    “Seção Diagonal” (2008), de Marcius Galan, em exibição na Galeria Mata. Foto: Pedro Motta

    Fernando de Mello Franco é professor e doutor em arquitetura pela USP. Foi membro do grupo curador das bienais de arquitetura de Roterdã e Veneza e é Secretário de Desenvolvimento Urbano do Município de São Paulo. Na mesa, ele fala sobre a cidade como espaço urbano e seus desafios.

    Grace Passô é atriz, diretora e dramaturga. Foi uma das fundadoras do mineiro Grupo Espanca!, em 2004. Atualmente dirige o espetáculo “O Contrato”, encenado pelas atrizes Yara de Novaes e Débora Falabella, do Grupo 3. No Seminário, Grace fala sobre o corpo no espaço e seu lugar na cena.

    Mesa Trabalho

    24 de maio, às 10h30

    Mediação: Rodrigo Moura

    Convidados:

    Marilá Dardot é mineira de Belo Horizonte. Formada em Comunicação Social na UFMG, é mestre em Linguagens Visuais pela Escola de Belas Artes da UFRJ. A Origem da Obra de Arte (2002), em caráter permanente no Inhotim, propõe uma reflexão acerca da construção das obras de arte. No Inhotim Escola, a artista aborda essas e outras questões que evolvem seu trabalho, como as técnicas e ferramentas usadas para criá-lo.

    "A Origem da Obra de Arte" (2002), de Marilá Dardot. Foto: Pedro Motta

    “A Origem da Obra de Arte” (2002), de Marilá Dardot. Foto: Pedro Motta

    Peter Pál Pelbart é filósofo, ensaísta e professor. Nasceu em Budapeste, nas Hungria, mas vive na cidade de São Paulo, onde coordena a Companhia Teatral Ueinzz, formada por pacientes psiquiátricos do hospital-dia A Casa. Estudioso da obra de Gilles Deleuze, ele ajuda a discutir o papel do trabalho na sociedade.

    Francisco Alvim é poeta e diplomata. Começou a escrever ainda na adolescência, por influência de sua irmã, a poetisa Maria Ângela Alvim. Lançou seu primeiro livro, Sol dos Cegos, em 1968. Após um período em Paris atuando na Unesco, Alvim retornou ao Brasil e passou a integrar o  grupo literário Frenesi, atuante na poesia marginal dos anos 1970. No evento, ele fala do trabalho de escritor e do ofício da escrita.

    Mesa História

    24 de maio, às 14h30

    Mediação: Júlia Rebouças

    Convidados:

    Adriana Varejão é carioca e elegeu a pintura como principal suporte de sua produção. Realizou sua primeira exposição em 1988, na Galeria Thomas Cohn, no Rio de Janeiro. Nos trabalhos reunidos no Inhotim, é possível acompanhar a diversidade de interesses de sua obra e a variedade de fontes de sua pesquisa. Por meio de pinturas, esculturas e instalações, a artista vem discutindo a história brasileira, sobretudo a formação de seu povo.

    "Celacanto Provoca Maremoto" (2004-2008), de Adriana Varejão. Foto: Ricardo Mallaco

    “Celacanto Provoca Maremoto” (2004-2008), de Adriana Varejão. Foto: Ricardo Mallaco

    Norma Côrtes é historiadora formada pela PUC Rio, com pós-doutorado em História da Cultura na USP. É professora da UFRJ, no campo da História Social e da Cultura, que investiga, entre outros, a forma como são compreendidos os fenômenos históricos. Na mesa, ela ajuda a fazer um contraponto entre as narrativas hegemônicas e marginalizadas dos acontecimentos do passado.

    Eduardo Moreira nasceu no Rio de Janeiro, mas mudou-se para Belo Horizonte aos 13 anos. É dramaturgo e fundador do Grupo Galpão, e participou de todas as montagens da trupe como ator. No cinema, atuou em produções nacionais, como O Ano que meus Pais saíram de férias (2006) e Batismo de Sangue (2007). No Inhotim Escola, ele fala da história como “estória” e suas narrativas fictícias.

    Programe-se

    Inhotim Escola apresenta o Seminário Espaço, Trabalho e História

    Data e hora: 23 de maio, mesa às 19h30; 24 de maio, mesas às 10h30 e 14h30

    Local: Auditório do Museu Histórico Abílio Barreto – Avenida Prudente de Morais, 202, bairro Cidade Jardim

    Entrada: gratuita, por ordem de chegada. A capacidade do teatro é de 100 pessoas.

    Atualização: Devido ao mau tempo na cidade do Rio de Janeiro nesta manhã, a artista Adriana Varejão e a historiadora Norma Côrtes não conseguiram embarcar para Belo Horizonte. Assim, a mesa prevista para esta tarde no Seminário Espaço, Trabalho e História, do Inhotim Escola, foi cancelada. Uma nova data será divulgada no site e nas mídias sociais do Inhotim em breve. 

     

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    11 de abril de 2014

    Fernando Rocha

    Músico, professor e curador do Ciclo de Música Contemporânea do Inhotim


    artemúsicaprogramação cultural

    Leitura: 3 min

    Ciclo de Música Contemporânea 2014

    Ciclo de Música Contemporânea 2014

    Na década de 1980, Belo Horizonte era um dos centros mais importantes de música contemporânea do Brasil. Diversas apresentações eram realizadas pela Fundação de Educação Artística e o Palácio das Artes, sempre com ótimo público. Com o passar dos anos, isso se perdeu, mas sempre acreditei que poderia haver uma retomada.

    Em 2009, iniciei um grupo de música contemporânea em Belo Horizonte, chamado Sonante 21. Fizemos vários concertos e, por meio deles, conheci o Rodrigo Moura, curador do Inhotim. Juntos, elaboramos o Ciclo de Música Contemporânea, um evento inspirado naquele movimento dos anos 1980, em completa sintonia com a proposta do Instituto.

    A música contemporânea está intimamente ligada à experimentação. Ela surge da tradição da música de concerto, da música clássica, mas está baseada na busca por novas linguagens. É um processo que envolve a investigação de timbres e sons em sua concepção pura. Tudo que produz ruído pode fazer música. E a possibilidade de levar tudo isso para dentro do Inhotim é muito interessante, já que é um espaço de inovação, reflexão e transformação.

    Do primeiro ciclo, em 2012, até hoje, foram oito concertos que trouxeram obras de compositores fundamentais da música contemporânea. Para este ano, o CMC cresce e conta com quatro concertos, diversos músicos mineiros e de outros países e intensa interação para improvisar e criar novas obras ou instrumentos.

    A programação começa no domingo, 13 de abril, com a pianista Xenia Pestova, cujo primeiro CD solo, Shadow Piano, acaba de ser lançado na Europa. No Inhotim, ela apresenta obras escritas para o piano de brinquedo, que criam uma atmosfera lúdica, embalada pelo som metálico característico desse instrumento. Ela também dialoga, por meio da improvisação livre, com os músicos Franziska Schroeder (saxofone, Irlanda), Matthias Koole (guitarra, Brasil), Henrique Iwao (eletrônica, Brasil) e a dançarina Dorothé Depeauw (Bélgica/Brasil). O evento acontece no Teatro de Arena do Inhotim, às 15 horas.

    2014 será um ano cheio de experimentação, sonoridades variadas e grandes obras musicais. Confira o que estamos planejando  clicando aqui.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    28 de março de 2014

    Equipe de mediadores

    Realiza visitas e atividades que convidam a refletir sobre os acervos do Inhotim


    arteprogramação culturalvisita

    Leitura: 4 min

    Construindo espaços

    Construindo espaços

    Pensar a relação que a arte tem com o céu é uma tarefa relativamente fácil no Inhotim, famoso por apresentar parte de seu acervo ao ar livre. A disposição das galerias pelo parque e os caminhos construídos para se chegar até elas estimulam novos fluxos e discussões sobre o encontro entre a arte contemporânea e o jardim botânico.

    A visita temática Construindo Espaços: o museu e o céu propõe uma discussão acerca desse ambiente de encontros e oferece outros olhares sobre as obras externas em exposição. Se a interação entre arte e natureza cria um novo espaço, criam-se também novos posicionamentos, livres de limites e abertos ao desconhecido.

    Na vastidão de possibilidades do Inhotim, podemos encontrar obras e artistas questionadores desse equilíbrio entre significações e experiências. Waltércio Caldas, com sua Escultura para todos os materiais não transparentes (1985), força o olhar a “olhar de novo”. A escultura aparentemente incompleta estimula a pensar justamente os vazios, os silêncios e o ritmo. 

    Waltercio-Caldas

    Waltércio Caldas, Escultura para todos os materiais não transparentes, 1985.

     

    Vegetation Room Inhotim (2010), da espanhola Cristina Iglesias, propõe um jogo óptico entre imagens refletidas em um espelho e a paisagem do lugar. Concebida especificamente para uma clareira na mata do parque, a obra consiste em uma estrutura espelhada imersa na natureza, promovendo encontros sensoriais. 

       

    Esses artistas escolheram incorporar o espaço em que seus trabalhos estão inseridos como elementos de sua própria existência e, assim, tecer relações com o corpo de quem os olha. A significação que damos a elas acontece desse encontro, mas as provocações tendem a se diferenciar a cada espaço, a cada dia, a depender do tempo, do humor, do cansaço do corpo, do estupor da mente.

    Convido a todos a lançar novos olhares para os espaços do Inhotim e perceber aquilo que considero o verdadeiro papel da arte: criar movimento.

    Texto de Marília Balzani, mediadora de Arte e Educação do Inhotim

     

    Ficou com vontade de participar da visita temática Construindo espaços: O museu e o céu? Então clique aqui e fique por dentro dos dias e horários em que atividade acontece.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    13 de março de 2014

    Redação Inhotim


    arteprogramação cultural

    Leitura: 7 min

    Dança contemporânea no Inhotim

    Dança contemporânea no Inhotim

    Foi pensando na mulher e em sua relação com o espaço que a coreógrafa e dançarina francesa Cecile Proust desenvolveu o espetáculo femmeuseposturalE. Contando com um grupo de dançarinas profissionais e amadoras de diferentes gerações e origens, as performances exploram, por meio da dança contemporânea, questões como a construção do gênero feminino. Pela terceira vez em Minas Gerais, Cecile faz agora os ajustes finais para as apresentações que serão realizadas esta semana no Inhotim, nos dias 14 e 15 de março. Entre um ensaio e outro pelos jardins do Instituto, a coreógrafa fez uma pausa e conversou com o Blog do Inhotim. Sentada confortavelmente em um dos bancos de Hugo França, ela falou sobre a montagem do espetáculo no parque, a visão que tem da mulher na sociedade atual, suas influências e muito mais. Confira na entrevista a seguir.

    Blog do Inhotim – De onde veio a ideia desse espetáculo?

    Cecile Proust – De início, o Femmeuse evoca a questão do gênero, do feminismo, da arte e as ligações que se pode fazer entre esses pontos. As performances apresentadas em femmeuseposturalE são uma resposta feminina à peça do coreógrafo francês Fabrice Ramalingom, Postural: études, criada para um grupo de 15 homens. Elaboramos esse trabalho com coreografias apresentadas apenas por mulheres. Dentro dele, podemos encontrar influências de Odile Duboc [diretor francês] e do diretor americano Bob Wilson, com quem já trabalhei. Há diversas outras, mas a pintora e escultora brasileira Lygia Clark, também trouxe muitas referências.

    BI – Qual sua visão sobre a mulher na sociedade atual e que mensagem o espetáculo pretende passar em relação a ela?

    CP – É difícil definir exatamente a mulher na sociedade atual, já que são milhões delas e tão diferentes entre si. Acredito que todos devemos simplesmente deixar a palavra e o espaço livre para elas. Cada mulher deve poder se expressar das diversas maneiras possíveis que é capaz. Então, devemos abrir esse espaço e deixar emergir o invisível de dentro delas. O espetáculo explora justamente isso, a liberdade do movimento da mulher dentro do espaço ocupado por ela.

    BI – As coreografias são montadas com bailarinas profissionais e amadoras, inclusive funcionárias do Inhotim. Qual a intenção dessa proposta?

    CP – Nós buscamos justamente esses diferentes corpos trabalhando pela dança, e não apenas um. Dessa forma, podemos fazer emergir diferentes experiências e efeitos e observar como os corpos dessas mulheres se misturam uns com os outros durante a coreografia. Essa relação do profissional com o amador torna a apresentação única, diferente em cada movimento, e isso se reflete tanto para os bailarinos quanto para o público.

    BI – Como é ter o Inhotim como cenário para essa apresentação?

    CP – É formidável. Esse lugar é realmente incrível. Além disso, trabalhar coreografias que envolvam as obras Desert Park (2010), de Dominique Gonzalez-Foerster e Piscina (2009), de Jorge Macchi, como iremos fazer, é ainda mais interessante, já que ambas têm um impacto muito grande sobre o corpo, a energia e o próprio espaço. Mas, claro, todo o Inhotim é excepcional e nos causa um encantamento já de cara. Lembro-me de que na primeira vez que viemos aqui, em 2012, eu e Jacques [Hoepffner, artista visual e parceiro na elaboração do espetáculo] tivemos apenas meio dia para visitar o parque. Mas mesmo com a rápida passagem, olhamos em volta e falamos “uau!”, queremos desenvolver algum projeto aqui. Hoje isso está sendo possível.

    BI – O que o Inhotim trouxe de único para essas performances?

    CP – Bom, é importante ressaltar que as apresentações que faremos aqui são criações específicas para este lugar, relacionadas justamente com as duas obras que utilizaremos como cenário. Mesmo com as ligações que podemos fazer dessas performances com outros materiais que vieram de coreógrafos da França ou com outros trabalhos que já desenvolvi, temos no Inhotim essa relação especial com o espaço, a natureza, o clima e a vegetação, que é totalmente diferente do que estamos acostumados na Europa. Tudo isso traz elementos peculiares para as coreografias e está totalmente alinhado com essa forte relação com o ambiente que esse trabalho desenvolve.

    BI – Quais suas expectativas para esse trabalho no Inhotim?

    CP – É difícil prever o que vai acontecer, mas, muitas vezes, o que a gente espera muda um pouco na realidade. Isso acaba sendo um dos aspectos mais fascinantes dessa apresentação. Acho que o que é interessante e próprio de um trabalho artístico é se deixar transformar pelas experiências vividas e as pessoas que estão trabalhando com você. Nosso projeto é totalmente transformado por quem participa das apresentações e pelo espaço. Claro que temos uma ideia dos resultados, mas o que importa é justamente essa transformação e o que o lugar pode impactar nas performances. Sempre estamos curiosos para saber o que acontecerá. Acho que com o público acontece a mesma coisa.

    Também ficou curioso para saber qual será o resultado da performance? Então não deixe de ir ao Inhotim conferir femmeuseposturalE. Clique aqui para saber os detalhes dessa apresentação.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 10 de 11« Primeira...7891011