• PT
  • 28 de setembro de 2015

    Redação Inhotim


    artebrumadinhocomunidadeeducaçãoinhotimmeio ambientemúsicaprogramação cultural

    Leitura: 4 min

    Uma praça que nunca mais será a mesma

    Uma praça que nunca mais será a mesma

    O céu azul e uma praça iluminada pelo sol em pleno sábado. Existe um motivo melhor para aproveitar o dia ao ar livre? A Praça de Aranha foi o ponto de encontro dos moradores do município de Brumadinho em uma tarde ocupada por cores, música, oficinas e muita alegria, no Festival de Rua Korocupá. O evento foi realizado pelos participantes dos projetos sociais do Instituto – Jovens Agentes Ambientais e Laboratório Inhotim – que vêm trabalhando as ideias para usar o espaço público de forma criativa há alguns meses. O resultado não poderia ter sido melhor: uma praça cheia de gente de todas as idades.

    Desde o início do ano, os jovens têm se preparado para promover o festival, pesquisando diferentes formas de intervir na cidade dando novo uso a espaços não utilizados. Eles observaram que a Praça de Aranha precisava de mais bancos. Por isso, produziram junto a marcenaria do Inhotim os novos móveis que foram estreados no dia do evento. Para incentivar a convivência entre vizinhos e moradores, os jovens tiveram a ideia de construir um forno de barro para assar biscoitos durante o festival. Além disso, eles prepararam oficinas que ensinaram técnicas para desenvolver tintas e produtos, como esfoliante de pele e protetor labial, a partir de elementos da natureza.

    Quem passou pela Praça de Aranha, ainda pode participar da Feira Grátis da Gratidão, onde roupas e sapatos eram doados ou trocados, e pôde ver a exposição de fotos de moradores feita pelos integrantes dos projetos. Os cliques foram resultado de uma pesquisa realizada pelo grupo que, com o objetivo de conhecer melhor os arredores da praça, entrevistaram a vizinhança e registraram cada personagem.

    Em uma das oficinas, os moradores aprenderam como fazer tinta com ingredientes naturais e se divertiram testando os produtos.  Foto: William Gomes

    Em uma das oficinas, os moradores aprenderam como fazer tinta com ingredientes naturais e se divertiram testando os produtos. Foto: William Gomes

    A música tocou do início ao fim com artistas locais que foram prestigiar o evento, com samba, arrocha, coral de trombones e tubas e ainda a participação da Oficina de Percussão Inhotim. O final da tarde foi com a chuva de pó colorido ainda sob a luz do sol das 17h, que ainda aquecia o lugar. O Festival Korocupá terminou com a certeza de que conviver em harmonia e ocupar o espaço público com carinho e criatividade são as melhores formas de se aproveitar a própria cidade. O que ficou deste dia foram roupas coloridas e bancos novos para uma praça que nunca mais será a mesma.

    A Praça de Aranha foi ocupada com atividades que levaram alegria e diversão aos moradores do distrito. Foto: William Gomes

    A Praça de Aranha foi ocupada com atividades que levaram alegria e diversão aos moradores do distrito. Foto: William Gomes

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    16 de setembro de 2015

    Redação Inhotim


    arteinhotimmúsicaprogramação culturalvisita

    Leitura: 4 min

    Carminho leva fado ao Inhotim

    Carminho leva fado ao Inhotim

    Aos cinco anos, as rodas de fado já faziam parte da vida de Carminho como algo corriqueiro. Por trás da porta, a pequena menina escutava as guitarras e as vozes da própria mãe, preenchendo a casa em um canto que contava histórias. O talento e a influência musical a fizeram crescer artista e, hoje com 30 anos e três CDS lançados, a cantora portuguesa roda o mundo levando suas raízes fadistas por onde vai. O Inhotim é o próximo destino, neste domingo, dia 20 de setembro. “Eu sempre tento mostrar que o fado não é triste. Ele é profundo porque é verdadeiro, ele fala a língua do coração. É a tradução dos sentimentos”, diz.

    A jovem portuguesa é considerada um grande talento da nova geração, oferecendo ao público um repertório com gêneros musicais variados, como a música popular portuguesa, rock, jazz e MPB. Sempre se aventurando em novas parcerias, como Chico Buarque e Marisa Monte, a cantora acredita que a voz é uma forma genuína de unir diferentes tipos de linguagem. Dessa ideia, surgiu o último CD que Carminho apresenta no parque, “Canto”, uma reunião de muitas dessas aventuras. “Esse canto unifica todas essas influências, mas também é um canto de lugar. O meu lugar ali na esquina. É uma forma de convidar todos esses artistas espalhados pelo mundo para perto de mim, para a minha cultura. Tem muita ‘portugalidade’, não só os originais do fado, mas também da música popular portuguesa”, explica.

    O fado, sempre presente na música de Carminho e considerado por ela sua “língua-mãe”, é um estilo que surgiu há cerca de 200 anos na região portuária de Lisboa, onde prostitutas, marinheiros e pescadores se juntavam para cantar durante a noite. De acordo com a artista, não se tratava tanto de uma expressão artística, mas de um momento no qual essas pessoas se uniam para desabafar as dores vividas em tempos difíceis. “O fado reproduz a história do ser humano que está vivendo em comunidade, que quer compartilhar o estado de alma. O fado conta a vida como ela era, conta das festas populares, do amor que foi deixado no cais, das dores e alegrias de quem se partilha”, diz.

    O novo álbum conta com 14 músicas. Artistas brasileiros como Marisa Monte, Carlinhos Brown, Dani Carvalho e Jaques Morelenbaum fazem participação especial no CD. A cantora gravou duas canções brasileiras inéditas, “O sol, eu e tu”, de Caetano Veloso, Cézar Medes e Tom Veloso, e “Chuva no Mar”, parceria de Arnaldo Antunes e Marisa Monte. No show, Carminho também vai resgatar canções de seus outros trabalhos, “Alma” e “Fado”.

    Compre seu ingresso e se prepare para o show!

    Carminho – Inhotim em Cena
    Onde? Magic Square.
    Quando? 20 de setembro, às 15h.

    *Essa atividade faz parte do Inhotim em Cena, é apresentada pelo Correios, tem patrocínio da Pirelli e Apoio da Wals.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    25 de agosto de 2015

    Redação Inhotim


    comunidadeconsumo conscienteeducaçãoinhotimmeio ambiente

    Leitura: 4 min

    Afinal, qual é a cidade do futuro ?

    Afinal, qual é a cidade do futuro ?

    Conhecer de verdade o vizinho, o porteiro ou a associação do bairro onde vivemos é um bom começo para se entender a própria cidade. Já parou para pensar de onde vem a roupa que você veste? Já se perguntou a origem do alimento que você come? De simples questionamentos como estes, surgiu a ideia da consultora em sustentabilidade Denise Chaer em criar o Novos Urbanos, tema do bate-papo promovido pelo Inhotim, na última terça-feira. Com o auditório lotado, a carioca contou sua história de vida e falou sobre o trabalho que realiza para incentivar o sentimento de pertencimento de cada um com o objetivo de promover mudanças na cidade.

    Depois de passar a adolescência vivendo em uma comunidade na Índia, Denise voltou para São Paulo e começou a trabalhar com grandes empresas, dedicando-se a jornadas longas de trabalho e conquistando um bom salário. Ao se ver consumista e sem tempo para simples prazeres, percebeu que não estava feliz com o ritmo acelerado de sua rotina, além de sentir uma necessidade em conhecer e entender a cidade onde morava. “Passei a investigar a minha própria vida e a refletir sobre o que eu realmente precisava. Comecei a repensar as relações com as outras pessoas e com o espaço urbano”, conta.

    O auditório lotado recebeu a consultora em sustentabilidade na palestra da última terça-feira.

    O auditório lotado recebeu a consultora em sustentabilidade na palestra da última terça-feira. Fotos: William Gomes

    Com o tempo, a ideia do Novos Urbanos foi amadurecendo e se concretizando. Junto a profissionais de diversas áreas, o grupo busca  articular ações entre  sociedade, iniciativa privada e poder público a partir do comportamento de consumo, com o objetivo de fortalecer comunidades vulneráveis.  Para Denise, a atuação de coletivos nesses espaços é uma forma de tornar possível mudanças importantes para todos os moradores. “Coletivo é o novo sujeito político”, reflete.

    Denise Chaer considera que a organização em redes é uma tecnologia social que pode transformar o mundo, especialmente, o espaço urbano. “Quando você não se apropria da sua cidade, alguém se apropria dela. A sua ausência também é uma forma de apropriação”. Denise acredita que as cidades do futuro não serão aquelas dominadas por robôs ou por altas tecnologias. “As cidades do futuro serão formadas por uma sociedade consciente, iluminada e terá poder por si mesmo para reconstruir o espaço urbano”, finaliza.

    A conversa faz parte da programação do projeto Pessoas Pelo Clima, que conta com o patrocínio da IBM por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e apoio institucional da Fundação Clóvis Salgado.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    24 de julho de 2015

    Redação Inhotim


    amizadedia do amigoinhotim

    Leitura: 6 min

    Amigas do Inhotim relembram momentos especiais

    Nada melhor do que amizade. Os amigos dão força e coragem,  são cúmplices e fazem parte daquelas lembranças que fazem sorrir. O alívio de se ter companheiros para todas as horas deixa a vida mais leve e dá a certeza de é possível se aventurar em novos desafios. Essa sensação de amparo é o que os Amigos do Inhotim oferecem ao ajudar a construir a história do Instituto, contribuindo com a sustentabilidade do parque por meio de doações. Todo o valor é investido na manutenção do Inhotim e nos projetos socioeducativos com estudantes, professores e as comunidades do entorno. Em troca, esses visitantes cativos recebem benefícios de acordo com cada categoria, como entrada gratuita, descontos em lojas e serviços e dedução do imposto de renda. O melhor de tudo isso é ter essas pessoas sempre por perto, visitando o Instituto e levando gente querida para conhecer a arte e os jardins.

    Para relembrar as histórias de amizade no Inhotim, duas participantes do programa resgataram na memória momentos marcantes vividos por aqui. São lembranças que dão ainda mais vontade de voltar.

    Suellen Moreira, Amiga do Inhotim desde 2011

    “O Inhotim traz muitas lembranças. Uma de minhas favoritas tem a ver com amigas da vida toda. Em 2012, fui visitar o parque com um grupo de seis amigas. A maioria delas nunca tinha ido ao Instituto. Esse grupo visita um lugar novo a cada ano e, nesse ano, era a minha vez de escolher. Tive a chance de ser guia delas pelos jardins e pelas galerias. Como já trabalhei no parque, conheço tudo muito bem e me orgulho disso. Adoro mostrar tudo que sei sobre o Inhotim quando estou entre pessoas muito queridas. Mas, nessa visita, uma dessas amigas, nossa conselheira de todos os momentos, não teve condições físicas de ir até a instalação da Marilá Dardot. Então, resolvemos fazer uma homenagem usando os elementos da obra. No final, estávamos todas lá, plantando e cultivando amizade!”. 

    A amiga de Suellen foi bem representada durante a visita à obra de Marilá Dardot.

    A amiga de Suellen foi bem representada durante a visita à obra de Marilá Dardot.

    Maria do Carmo Campos, Amiga do Inhotim desde 2013

    “Levo todo mundo que recebo em Minas ao Inhotim. Pra mim, Minas Gerais começa pelo Inhotim e a sensação de poder passar pras pessoas que eu gosto o que eu conheço do parque é uma coisa muito boa, que me deixa feliz. É sempre novidade pra mim também, mesmo tendo ido lá tantas vezes. Em uma das visitas, uma amiga ficou super encantada justo com as louças do restaurante Tamboril. Eu nunca nem tinha reparado nelas. Outra vez, levei uma adolescente de 12 anos que olhou pras árvores pata-de-elefante e disse que era igual ao livro de Nárnia, só que na vida real. Achei aquilo tão bonito, nunca tinha pensado nisso. Mais uma lembrança muito boa que eu tenho entre amigos foi um dia que levei uma amiga paraense ao parque. Estávamos na parte alta, perto do Jardim de Todos os Sentidos, e eu vi uma visitante completamente perdida no meio do caminho. Sugeri que ela fizesse a visita conosco e ela aceitou. A gente andou o parque inteiro conversando muito, descobrindo afinidades. Me lembro da cena dela deitada na grama, literalmente rolando de alegria por estar ali no Inhotim, um lugar tão lindo. No final do dia, ela me abraçou bem forte agradecendo e dizendo que eu tinha sido um anjo no caminho dela. A amizade que nasceu ali dura até hoje. Nos falamos sempre e já combinamos um reencontro no parque, em breve. São coisas que ficam na lembrança”. 

    jardim-desertico

    Passeando pelo Jardim Desértico, Maria do Carmo fez uma nova amiga. Foto: Rossana Magri

    Você também quer fazer parte da história do Inhotim? Conheça o programa ou entre em contato pelo e-mail amigos@inhotim.org.br ou telefone (31) 3571-9740.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    17 de julho de 2015

    Lidiane Arantes

    Supervisora de Educação Ambiental


    inhotimmeio ambienteproteção às florestasViveiro Inhotim

    Leitura: 3 min

    Dia de Proteção às Florestas

    Dia de Proteção às Florestas

    As florestas ainda ocupam cerca de 61% do território brasileiro, segundo o Ministério do Meio Ambiente. A necessidade de preservação desses biomas não está apenas na conservação da biodiversidade, mas inclui todas as funções sociais, econômicas e ambientais que uma área florestal desempenha. O Dia de Proteção às Florestas, comemorado em 17 de julho, nos convida a refletir sobre a importância da exuberante flora que ainda existe no Brasil.

    Quem visita o Inhotim, tem a chance de conhecer vários tipos de florestas, assim como espécies ameaçadas e em extinção que hoje crescem nos jardins do parque. Esse é um dos papeis do Jardim Botânico: incentivar a preservação dos biomas e das áreas degradadas pela ação humana.

    O trabalho realizado pela equipe do Instituto contribui a conservação das espécies ex situ, ou seja, fora de seu ambiente. Dentro do parque, acontece a replicação de um grande número de plantas, incluindo algumas com risco de extinção em seu habitat natural. A propagação da árvore Terminalia Acuminata, até então considerada extinta, foi uma das conquistas recentes. Após encontrar um único exemplar sobrevivente na Floresta da Tijuca, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro presenteou o Inhotim com algumas sementes da árvore, que foram plantadas e cuidadas. Hoje, três mudas da árvore crescem na estufa equatorial.

    Um lugar especial no parque é o Viveiro Inhotim, onde há o ponto de encontro entre a Mata Atlântica e o Cerrado, dois biomas muito comuns no Brasil. Lá,  é possível sentir na própria pele o microclima dessas florestas e saber sobre o tipo de espécies botânicas que elas abrigam. Isso nos faz pensar quais ações temos praticado para a preservação da nossa flora e em como podemos agir, diariamente, na tentativa de preservar e valorizar essa riqueza natural que nos cerca.

    Baixe o PDF para saber mais curiosidades sobre o Espaço Mata Atlântica Transição Cerrado do Viveiro Inhotim.

    Visite e descubra as sensações que a nossa floresta pode te proporcionar!

    Terminalia Acuminata é uma das árvores raras que crescem fortes na estufa do Inhotim.

    Terminalia Acuminata é uma das árvores raras que crescem fortes na estufa do Inhotim.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 5 de 6« Primeira...23456