• EN
  • 14 de maio de 2015

    Inês Grosso

    Curadora assistente do Inhotim


    do objeto para o mundoexposiçãoinhotimrelógiosão paulo

    Leitura: 4 min

    Um dia como outro qualquer

    Um dia como outro qualquer

    Um dia como outro qualquer (2008) da artista Rivane Neuenschwander, consiste em 24 relógios cujos painéis numéricos, correspondentes à marcação das horas e minutos, foram substituídos por zeros. Instalados no espaço expositivo ou em locais de passagem, como corredores, balcões de atendimento, bibliotecas e cafeterias, e valendo-se da relação entre função e valor simbólico, a obra proporciona um encontro inesperado com o público – onde este esperaria encontrar um relógio em funcionamento, acha, pelo contrário, uma versão atual e intencionalmente modificada dos clássicos flip-clocks, que, neste caso, registram apenas zero hora e zero minutos.

    O dia começa à zero hora e termina à meia-noite. Zero hora marca o início de um novo dia e meia-noite o final. Neuenschwander remete-nos para um tempo hipnótico e ilusoriamente suspenso, para aquele intervalo entre um dia e outro, entre o final de um dia e o começo do seguinte, que será sempre um dia como outro qualquer. De fato, o relógio rege os nossos dias: temos horas para levantar, chegar ao trabalho, almoçar, jantar, dormir, etc. Somos escravos do tempo. De um tempo que não espera. Especialmente numa metrópole como São Paulo, onde vivemos sempre atrasados e dependentes do relógio para não perder a hora, Neuenschwander desafia-nos a refletir sobre a dimensão do tempo no mundo contemporâneo.

    A artista remete-nos para  aquele intervalo entre um dia e outro, que será sempre um dia como outro qualquer.

    A artista remete-nos para aquele intervalo entre um dia e outro, que será sempre um dia como outro qualquer.

    A apropriação de objetos comuns, utilitários ou decorativos, e sua introdução poética no cotidiano da cidade, aproxima sua prática do exercício de revisão do estatuto do objeto artístico.  Isto teve início em meados dos anos de 1960, quando os artistas experimentavam formas alternativas de circulação da obra de arte e sua inserção no mundo real.

    A obra integra a exposição Do Objeto para o Mundo , em exibição no Itaú Cultural até 31 de maio. Os 24 relógios foram espalhados pela sede do Itaú Cultural e por diferentes espaços da cidade, como o Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM, o Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer, a Pinacoteca do Estado de São Paulo, o Museu de Arte de São Paulo – MASP e o Centro de Memória Itaú Cultural/Espaço Memória.

    A obra integra a exposição Do objeto para o Mundo - Coleção Inhotim, em SP.

    A obra integra a exposição Do objeto para o Mundo – Coleção Inhotim, em SP.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    01 de abril de 2015

    Redação Inhotim


    arteexposiçãoinauguração

    Leitura: 5 min

    Inhotim na Avenida Paulista

    Inhotim na Avenida Paulista

    2 de abril de 2015 poderia ser um dia como outro qualquer na maior metrópole brasileira. Mas, hoje, São Paulo acorda diferente. A inauguração da mostra “Do Objeto para o Mundo”, realizada em parceria com o Itaú Cultural, marca a primeira vez em que a coleção do Inhotim, formada ao longo dos últimos dez anos, é exibida fora de Minas Gerais, sua sede. Em exibição até 31 de maio, a exposição levou mais de 50 mil visitantes ao Palácio das Artes e ao Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, no centro de Belo Horizonte, antes de desembarcar na capital paulista.

    O conjunto de 29 artistas de diversas gerações e partes do mundo que compõe o percurso expositivo convida a uma reflexão sobre o desenvolvimento da arte contemporânea. O movimento neoconcreto da década de 1950 é o ponto de partida para essa viagem, que revela como questões e práticas adotadas na época, por nomes como Hélio Oiticica, Lygia Clark e Lygia Pape, transpõem as barreiras do tempo e se vêem presentes em trabalhos recentes de Gabriel Sierra, José Dávila e Juan Araujo.

    Foto: Arquivo Inhotim

    Foto: Arquivo Inhotim

    “Do Objeto para o Mundo” reúne obras que tensionam as fronteiras entre arte e vida. Na mostra, os objetos de arte desmaterializam-se ou aproximam-se da experiência cotidiana e de mundo do espectador. Quem já experimentou essa transformação caminhando pelos jardins do Inhotim, agora tem a chance de perceber, em um contexto totalmente diverso, os impulsos que levaram a essa arte mais espacial. O curador da exposição, Rodrigo Moura, exemplifica: “Os relevos espaciais foram, possivelmente, o primeiro passo de Oiticica em direção à arte ambiental. Para chegar ao Magic Square, primeiro o artista teve que tirar o quadro da parede e criar um objeto que não tem frente nem verso, que tem frestas e quinas. A partir daí, a pintura foi se transformando até virar um espaço público, uma praça”.

    O recorte exibido em São Paulo introduz três obras que não participaram da temporada em Belo Horizonte: a instalação Límite de una proyeccíon I (1967), do argentino David Lamelas, a projeção U.S.A. Freestyle Disco Contest (1979/2003), do americano Michael Smith e o filme 0314 (2002), do mineiro Marcellvs L. A obra Seção Diagonal, de Marcius Galan, sucesso de visitação no Inhotim desde 2010, agora também está instalada no espaço.

    Alguns cartões postais da cidade também recebem trabalhos. Os relógios que compõem a obra Um dia como outro qualquer (2008), de Rivane Neuenschwander, sempre registram zero hora e zero minuto, e foram posicionados em locais inusitados de espaços como o Auditório Ibirapuera, o MAM-SP, o MASP e a Pinacoteca.

    PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA

    Os artistas David Lamelas e Michael Smith participam de conversas de abertura, no dia 2/04, às 20h, no Itaú Cultural. A entrada é gratuita, sujeita à lotação da sala (80 lugares). Se não puder comparecer, não se preocupe: o evento será transmitido ao vivo por este link.

    Visite o hotsite doobjetoparaomundo.org.br e saiba mais sobre a exposição. Assista ao vídeo da montagem em Belo Horizonte, com depoimentos dos curadores do Inhotim:

    EXPOSIÇÃO
    Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim
    Quando: de 2 de abril a 31 de maio de 2015. Terça a sexta, das 9h às 20h. Sábado, domingo e feriado, das 11h às 20h.
    Onde: Itaú Cultural (Avenida Paulista, 149 – São Paulo/SP)

    Entrada gratuita.
    Indicado para todas as idades.
    doobjetoparaomundo.org.br

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    04 de março de 2015

    Walter Sebastião


    arteexposição

    Leitura: 8 min

    Vasto Mundo

    Vasto Mundo

    * O texto abaixo foi escrito pelo jornalista Walter Sebastião para o caderno EM Cultura, do Jornal Estado de Minas. Publicado em 03/03/2015

    Uma característica palpável da arte é que ela, com o tempo, muda, conforme ensina o italiano Lionello Venturi no belo livro ‘História da crítica de arte’. Ou seja: a arte, em outros tempos do mundo, foi diferente (no que se refere a práticas, conteúdos, formas, conceitos, materiais etc.) do que é hoje e, quase certamente, do que ela será no futuro.

    Em linhas muitos gerais, o objeto artístico, como conhecemos no Ocidente, teria sua “origem” em peças com função utilitária que se destacavam pelos cuidados de elaboração, pelo material empregado em sua realização, pela beleza ou pela singularidade de suas formas. Preservadas por esses motivos, essas peças acabaram gerando um acervo que induziu à produção de objetos que deixaram de lado a dimensão de uso para se concentrar apenas em especulações estéticas.

    Eis um processo não linear, longo, complexo, que carrega outra transformação: a troca da representação de heróis, narrativas e tempos míticos pela exaltação de homens notáveis – reis e santos, especialmente, mas não só. A aproximação do cotidiano (e do tempo contemporâneo dos artistas) se dá de modo contínuo. Mais tarde, esse processo engendra a troca de personagens aristocráticos e da elite econômica (e os hábitos deles) por representação das vivências, dramas e percepções do cidadão “comum”.

    Embora a origem do objeto de arte pareça abstrata, é fácil perceber sua concretude, por exemplo, no caso dos grandes artistas do barroco-rococó brasileiro –, produtores de uma arte que ainda tinha um função utilitária (no caso, religiosa), mas que também já exercitavam com desenvoltura valores estritamente artísticos.

    Vale a pena ter esses aspectos em consideração no momento em que uma exposição – “Do objeto para o mundo – Coleção Inhotim“, curadoria de Rodrigo Moura e Inês Grosso, em cartaz até o próximo domingo, no Palácio das Artes, e no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia –, foca as transformações da arte (e registra os 10 anos de atividade do Centro de Arte Contemporânea Inhotim).

    ESTRATÉGIAS O foco dessa exposição está sobre trabalhos de arte que aspiram a ser acontecimentos (no mundo) e não representações deles. São criações dos últimos 50 anos que se valem de várias estratégias. Tanto há peças que impõem sua presença física no espaço real quanto ações, as mais diversas, que interpelam a noção de arte como objeto. Há, ainda, trabalhos que se abrem para interação com o espectador. Esses, que são motivos onipresentes em grande parte da coleção Inhotim, estão apresentados na exposição de forma sintética.

    O tema da exposição (do objeto para o mundo) está nítido na Grande Galeria. Ali, ele é mostrado com uma reunião de trabalhos tão saborosa – pela qualidade das obras e pela diversidade de pontos de vista – que “esvazia” de supresas os outros espaços. Mas todas as galerias têm ótimas obras. Esse mérito advém do fato de Inhotim ter um acervo admirável, que foi definido e construído com rigor conceitual e senso histórico, mas especialmente com sensibilidade.

    Os curadores demonstram gosto por criar diálogos (inclusive entre gerações) e paixão em apresentar descobertas. É de emocionar o resgate de intervenção do mineiro Décio Novielo, dos anos 1970, inclusive com filmes de época. Assim como a atenção dispensada ao Livro da criação, uma das mais belas obras da carioca Lygia Pape. E ainda a criação de um ambiente adorável (apenas com portfólio e dois vídeos preciosos) para se conhecer melhor um artista especial: o norte-americano Chris Burden.

    Do Objeto para o Mundo - Coleção Inhotim. Foto: Eduardo Eckenfels

    Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim. Foto: Eduardo Eckenfels

    É um cuidado que ajuda a ir tecendo uma história com a produção recente, mas também com trabalhos que, por muito tempo, foram relegados e esquecidos nos ateliês dos artistas. Trazer estas obras e autores à cena joga luz sobre a singularidade do trabalho desenvolvido por Inhotim. A instituição, na prática, vem se constituindo como um museu contemporâneo de arte e não simplesmente como um museu com acervo de arte contemporânea.

    INTERPELAÇÃO Com pensamento e a criação de uma estrutura física, o Inhotim vem aprofundando um modo específico de apresentar trabalhos importantíssimos dos últimos 50 anos, sem “trair” o que eles têm de essencial: uma poética de interpelação de todas as convenções artísticas, que redefiniu o que entendemos como arte. Essa postura alcança uma proeza: dar vida, potência, vibração à arte que, ousadamente, é e quer ser diferente. São criações de autores que, às vezes, até estão nos museus de arte contemporânea (mas não com seus trabalhos e ideias mais ousadas), ou cobertos pela poeira de museografias (e visões históricas) convencionais, o que tinge as criações de uma melancolia que não é delas.

    As inovações de Inhotim, em todos os aspectos, trazem um problema que merece ser registrado: acostumados aos prazeres trazidos pelas mostras realizadas em Brumadinho, em condições que provaram ser as ideais para a boa fruição da produção de arte contemporânea, como se acostumar (ou voltar) a arquiteturas tradicionais dos museus? E ainda: será que dá para fruir obras que pedem mais do que apenas empatia ótica, em ambiente tão congestionado (de tudo), como o Centro da cidade, por exemplo, às 18h de um dia de semana?

    Por enquanto, a resposta a essas perguntas, especialmente à última, é: respire fundo e paciência. Veja (e reveja) a exposição com calma, com catálogo na mão, lendo textos e créditos nas paredes, aspectos que também são essenciais no padrão de excelência estabelecido por Inhotim.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    27 de fevereiro de 2015

    Redação Inhotim


    arteexposiçãoprogramação cultural

    Leitura: 4 min

    Conversa com Daniel Steegmann

    Conversa com Daniel Steegmann

    Para encerrar sua temporada em Belo Horizonte, a exposição “Do objeto para o mundo – Coleção Inhotim”, em exibição até 8 de março no Palácio das Artes e no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, promove uma conversa com o artista Daniel Steegmann Mangrané, no próximo dia 4.

    Autor de 16 mm, que integra a exposição, Steegmann fala sobre esta e outras obras que marcaram sua trajetória. É uma ótima oportunidade para conhecer melhor o trabalho de um artista cuja atividade reflete aspectos da arte contemporânea e, também, para saber mais sobre a formação da coleção do Inhotim. Exibido pela primeira vez na 30a Bienal de Sa?o Paulo, em 2012, 16 mm foi filmado com um dispositivo criado pelo artista, no qual a ca?mera desliza por um cabo de ac?o colocado a tre?s metros de altura, na Mata Atlântica. A conversa, com mediação do curador da exposição Rodrigo Moura, fecha o ciclo de encontros com o público.

    Retrato Daniel Steegmann Mangrané

    Retrato Daniel Steegmann Mangrané

    Os temas da exposição também foram discutidos em conversas promovidas durante o período de sua abertura, em dezembro de 2014. Na primeira delas, foi possível conhecer a trajetória de dois importantes artistas argentinos – Jorge Macchi e David Lamelas. Apesar de pertencerem a diferentes gerações, suas obras ajudam a entender o caminho traçado pela curadoria da exposição. “Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim” apresenta um recorte em que a arte contemporânea é entendida a partir de movimentos artísticos surgidos no Brasil, América Latina e Japão a partir dos anos 1950. Este caminho é marcado, também, pela manifestação de “Do corpo à terra”, ocorrida em Belo Horizonte em 1970, no Parque Municipal. O curador do evento, Frederico Morais, e dois artistas que integraram a mostra – Cildo Meireles e Décio Noviello – participaram da segunda rodada de conversas, realizada em dezembro.

    Nesta quarta-feira, 4 de março, o público tem mais uma oportunidade de se aproximar dos conteúdos trazidos pela exposição, de maneira direta e descontraída. Participe da conversa de Daniel Steegman Mangrané com o curador Rodrigo Moura, às 19h30, no Teatro João Ceschiatti.

    Conheça melhor a obra de Daniel Steegmann e visite exposição no Palácio das Artes.

    Conversa com o artista Daniel Steegmann Mangrané
    Quarta-feira, 4 de março, 19h30
    Palácio das Artes, Teatro João Ceschiatti,  – Avenida Afonso Pena, 1537, Centro – Belo Horizonte/MG
    Lotação máxima: 148 pessoas
    Entrada gratuita, por ordem de chegada
    doobjetoparaomundo.org.br

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    25 de novembro de 2014

    Redação Inhotim


    arteexposiçãoinauguraçãoparceriaprogramação cultural

    Leitura: 7 min

    Inhotim faz exposição gratuita em BH

    Inhotim faz exposição gratuita em BH

    A partir de 12 de dezembro, o Palácio das Artes e o Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, em Belo Horizonte, recebem a exposição “Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim”. Com entrada gratuita, a mostra itinerante marca a primeira vez em que parte do acervo do Instituto Inhotim deixa sua sede, em Brumadinho (MG). As mais de 50 obras apresentadas datam dos anos de 1950 até os dias de hoje e propõem um recorte do acervo que examina a formação do campo da arte contemporânea a partir da coleção e do programa da instituição, inaugurada ao público em 2006. Aberta a visitação até 8 de março, a exposição tem correalização da Fundação Clóvis Salgado e, em abril de 2015, segue para o Itaú Cultural, na capital paulista.

    A exposição toma como ponto de partida um momento histórico em que a arte deixa de se resumir a objetos para existir de maneira mais aberta para o mundo. Nesse contexto, elementos do cotidiano, do espaço real, da política e do corpo são incorporados e o espectador se transforma em participante. Segundo o diretor de arte e programas culturais do Inhotim e curador da exposição, Rodrigo Moura, essa é uma oportunidade de conhecer melhor a coleção do Instituto, uma vez que a maioria dos trabalhos nunca foi exibida no parque. “São obras que deixam perceber possíveis caminhos na história da arte dos últimos 50 anos, que permitiram ao Inhotim ser o que é”, explica.

    A presidente da Fundação Clóvis Salgado, Fernanda Machado, chama a atenção para a importância da circulação do acervo de Inhotim. “Ficamos muito felizes em receber, pela primeira vez, esse rico acervo de Inhotim. Entendemos se tratar de um projeto audacioso, que pretende contemplar o público com uma grande variedade de obras de arte. Acreditamos que essa parceria nos permite ampliar as diretrizes da Fundação Clóvis Salgado e estender o acesso à cultura a um maior número de pessoas”.

    Percurso em quatro Núcleos
    Na Grande Galeria do Palácio das Artes, obras históricas dialogam com trabalhos mais recentes. Organizado em quatro núcleos, o percurso parte do neoconcretismo de Hélio Oiticica, Lygia Clark e Lygia Pape; passa pela geometria conceitual de Channa Horwitz, Cildo Meireles e David Lamelas e pelo vanguardismo do grupo Gutai, surgido no pós-guerra do Japão, chegando ao acionismo e à presença do corpo na arte, como no trabalho de Chris Burden. Essas obras são apresentadas em diálogo com artistas de outras gerações, como Gabriel Sierra, Jac Leirner, Cinthia Marcelle, entre outros.

    Já as galerias no piso inferior abrigam instalações de maior escala de Ernesto Neto, Jorge Macchi,Mauro Restiffe, Melanie Smith, Rivane Neuenschwander e Thomas Hirschhorn. No Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, prédio histórico no centro da cidade, a videoinstalação Homo sapiens sapiens (2005) de Pipilotti Rist, será exibida pela primeira vez no Brasil. Filmada no Inhotim antes da abertura do parque à visitação livre, a obra explora os jardins do Instituto e cria um ambiente de imersão para que o visitante mergulhe nas imagens projetadas no teto.
     
    Do Corpo à Terra
    O título da exposição também faz referência à manifestação do Do Corpo à Terra, que aconteceu durante a inauguração do Palácio das Artes, em abril de 1970. Organizado pelo crítico Frederico Morais, é considerado ainda hoje um marco das investigações sobre arte ambiental e experimentalismo de vanguarda no Brasil. Duas produções realizadas na ocasião integram a mostra: Ação no Parque Municipal, 1970, de Décio Noviello, e Situação T/T, 1 – Belo Horizonte, 1970, de Artur Barrio.
     

    CONVERSAS DE ABERTURA
    Os primeiros dias da exposição terão programação especial, com conversas entre artistas e curadores.

    12 de dezembro (sexta-feira), às 19h30 – Palácio das Artes – Sala Juvenal Dias
    Os artistas David Lamelas e Jorge Macchi responderão perguntas elaboradas pelos curadores Rodrigo Moura e Inês Grosso.
    Lotação máxima: 170 pessoas. Entrada gratuita, por ordem de chegada.
    Tradução simultânea espanhol-português.

    13 de dezembro (sábado), às 14h30 – Palácio das Artes – Sala Juvenal Dias
    Cildo Meireles, Décio Noviello e Frederico Morais participam de conversa com mediação da curadora Júlia Rebouças.
    Lotação máxima: 170 pessoas. Entrada gratuita, por ordem de chegada.
    EXPOSIÇÃO
    DO OBJETO PARA O MUNDO – COLEÇÃO INHOTIM
    Onde: Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro, Belo Horizonte/ MG) e Centro de Arte Contemporânea e Fotografia (Av. Afonso Pena, 737, Centro, Belo Horizonte/MG).
    Quando: de 12 de dezembro de 2014 a 8 de março de 2015. Terça a sábado, das 9h30 às 21h. Domingo, das 16h às 21h.

    Programa de visitas:
    – Durante a semana, o Programa Educativo em Artes Visuais da FCS atende ao público espontâneo e agendado. Para grupos a partir de seis pessoas, é necessário fazer o agendamento por telefone: (31) 3236-7471 ou por e-mail: agendamento.educativo@fcs.mg.gov.br.
    – Aos sábados, domingos e feriados, os educadores propõem um percurso temático, que reflete sobre as obras e os artistas apresentados. Saídas: Sábados, às 10h30 e 18h30. Domingos, às 16h30.

    A exposição “Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim” é realizada pelo Ministério da Cultura, tem apresentação do Inhotim e Itaú e correalização da Fundação Clóvis Salgado.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 2 de 512345