• EN
  • 26 de março de 2014

    Redação Inhotim


    brumadinhocomunidadehistória

    Leitura: 3 min

    De onde vem o nome Inhotim?

    De onde vem o nome Inhotim?

    Ninguém sabe ao certo de onde vem o nome Inhotim, mas sua origem gera muita curiosidade entre os visitantes e funcionários do parque. Uma das teorias mais conhecidas relaciona a palavra a um minerador inglês, o “Sir Timothy”, que teria morado na área ocupada hoje pelo Instituto. O pronome “Sir”, traduzido para o português como “Senhor”, era muitas vezes falado como “Nho”. Assim, “Sir Timothy” se transformaria em “Nho Tim”.

    Outra história, comprovada por uma notificação de 26 de maio de 1865, registra a existência de um lugar chamado “nhotim”, onde morava João Rodrigues Ribeiro, filho de Joaquim Rodrigues Ribeiro. Em um dos recibos anexos a esse antigo documento há uma assinatura na qual a localização é grafada como “Nhoquim”.

    O nome “Joaquim” aparece também na narrativa de Dona Elza, moradora da região de Brumadinho. Ela apresenta uma variação da versão que envolve o minerador inglês: “O que eu me lembro de ver contar era que havia um proprietário que se chamava, não sei se era Joaquim, e o apelido dele era Tim. Então era o Sr. Tim, que virou NHÔ TIM. Antigamente não se falava senhor, era nhô. Por isso ficou com esse nome de Inhotim”.

    Há ainda o relato da viagem do engenheiro inglês James Wells pelo Brasil entre os anos de 1868 e 1886. Em determinado momento, ele relembra uma conversa com um trabalhador negro em uma estrada próxima à Brumadinho. O linguajar local indica que a palavra Inhotim poderia ser uma corruptela da expressão usada pelos escravos para dizer sim senhor: “N’hor sim”. A existência de seis comunidades quilombolas no município de Brumadinho, quatro delas reconhecidas pela Fundação Palmares, reforça a hipótese.

    Essas são algumas das explicações possíveis para o nome do Instituto, fruto das pesquisas do Centro Inhotim de Memória e Patrimônio (CIMP). Criado em 2008 para resgatar as histórias e tradições da região, o CIMP é um dos projetos que o Inhotim realiza com a comunidade de seu entorno.

    Você já ouviu algum relato diferente sobre a origem do nome Inhotim? Conte para a gente!

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    20 de fevereiro de 2014

    Everton Silva

    Integrante da equipe de Inclusão e Cidadania do Inhotim


    brumadinhocomunidadeeducaçãohistória

    Leitura: 4 min

    … até agora

    … até agora

    Quando comecei a trabalhar no Inhotim em 2006, alguns dos meus colegas já estavam ajudando a plantar a semente deste projeto que temos hoje. Perto deles, não tenho uma história assim tão longa no parque. Para se ter uma ideia, tem gente que está aqui há mais de 20 anos, quando a região ainda abrigava a antiga Fazenda Inhotim, berço do que seria um instituto internacional, referência no Brasil e no mundo. De qualquer forma, também me considero parte importante dessa bonita trajetória.

    Desde a minha chegada ao Inhotim, as coisas mudaram de forma esplendorosa. Há oito anos o parque não era como hoje, mas já estava além de tudo que eu tinha visto. Nasci em uma comunidade quilombola e me mudei para Brumadinho com 12 anos, acompanhando minha avó, que precisou trocar de emprego. Na época, o Inhotim tinha outro nome, menos visibilidade e recebia apenas escolas particulares e algumas pessoas convidadas. Coisa bem simples, que contava com uns poucos funcionários da área de educação. Diferentemente de hoje, não havia um monitor sequer.

    Cheguei à instituição para ser tratador de aves aquáticas e logo me tornei o menino dos patos. Exercer a minha atividade era extremamente prazeroso. Mas uma das coisas mais decisivas da minha vida aconteceu nesse período: entrei em um curso de graduação em História. Confesso que, no começo, foi um pouco complicado, devido ao choque cultural que sofri. Não tinha intimidade com os estudos, afinal, dentro da minha família, não contava com influências e nem incentivo.

    Finalizei a faculdade em 2009 e me transferi para a equipe de Educação Ambiental do Instituto, encerrando um ciclo fantástico para mim. Como mediador de visitas, o que mais gostava era de atuar com os alunos da Escola Integrada. Eram meninos, em sua maioria, muito carentes, e precisavam de apenas um olhar ou um carinho para que tivessem um dia fantástico.

    2010 foi mais um daqueles períodos repletos de mudanças, quando me matriculei na faculdade de Direito. Eu colocava em curso mais um projeto de vida. Mudei para a equipe de Inclusão e Cidadania do Inhotim, na qual permaneço até hoje. O trabalho realizado não é simples, mas as conquistas são recompensadoras. Já desenvolvi projetos com a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Brumadinho (Ascavap), as comunidades quilombolas e o programa Inhotim para Todos. Cada um com a sua especificidade, mas todos gratificantes, pois atuam diretamente na transformação do indivíduo como ente social.

    Essa é minha história no Instituto Inhotim até agora.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    07 de fevereiro de 2014

    Redação Inhotim


    brumadinhocomunidadeeducaçãomúsica

    Leitura: 6 min

    Melodias que embalam sonhos

    Melodias que embalam sonhos

    Música para sonhar mais alto. É pensando nisso que o maestro César Timóteo, novo coordenador dos projetos musicais do Inhotim, projeta o futuro. Filho de mãe pianista, César começou a estudar violino ainda criança. Hoje, já violinista, cantor lírico e regente, ele busca despertar a musicalidade e o talento de cada aluno dos projetos que irá acompanhar. O maestro conversou com o Blog do Inhotim e contou um pouco da sua trajetória e das expectativas para essa nova etapa de sua vida.

     

    Blog do Inhotim – Conte-nos um pouco da sua trajetória na música.

     

    César Timóteo – Não consigo delinear o momento exato em que fui absorvido pela música. Minha mãe é pianista e isso me influenciou muito. Pude, através dela, ter um contato precoce com essa arte fascinante. Aos nove anos de idade iniciei meus estudos de violino, vindo a me tornar um violinista profissional na minha adolescência e juventude. Me formei também em canto lírico posteriormente, participando de apresentações como solista em óperas e oratórios. Após vários anos atuando como violinista e cantor decidi estudar regência, que veio a se tornar minha principal ocupação musical. Tive a oportunidade de dirigir orquestras no Brasil e exterior além de conviver com grandes nomes da música que me influenciaram de forma significativa, dentre os quais destaco o violinista Max Teppich e o maestro Isaac Karabtchevsky.  

    BI – Qual a sua opinião sobre o potencial de música que tem Brumadinho e seus moradores?

     

    CT – A música faz parte do desenvolvimento de todas as comunidades, ela é necessária. Em Brumadinho não é diferente. É preciso oferecer oportunidade de aprendizado às pessoas, despertando dentro delas a musicalidade.  O aprendizado e estudo de música, seja através de um instrumento musical, ou do canto, tende a organizar e aflorar essa musicalidade trazendo equilíbrio, desenvolvimento e possibilidades de sonhar mais alto. Não tenho dúvidas de que Brumadinho seja um celeiro de talentos musicais, que certamente haverão de ser revelados.

    BI – Quais são os projetos que irá coordenar? Conte um pouco mais sobre cada um deles.

    CT – Coordenarei coros Infantil, Juvenil, Adulto e Escola de Cordas. São projetos desenvolvidos pelo Inhotim, com realização do Ministério da Cultura e patrocínio da Vale do Rio Doce. Em 2014, passam a funcionar de forma mais unificada, com a atuação de uma equipe de professores convidados de Belo Horizonte. Todos eles tem como objetivo promover o desenvolvimento social, musical e artístico nas comunidades da região do Vale Médio do Paraopeba, atendendo não só jovens de Brumadinho, mas também Mario Campos e Bonfim. Os alunos têm a oportunidade de fazer aulas teóricas e práticas gratuitamente, e são, em sua grande maioria, advindos das redes públicas de ensino.

     Com atividades semanais, esses alunos inscritos têm a oportunidade de estudar técnica vocal e teoria da música, além de praticar instrumentos como violino, viola, violoncelo e contrabaixo.  No trabalho de canto coral e orquestra, os alunos podem vivenciar a música em conjunto, desenvolvendo aspectos de percepção harmônica e cooperativismo. Semestralmente são abertas mais vagas e os interessados devem preencher uma ficha de inscrição na sede do projeto em Brumadinho.

    BI – Quais as novidades para 2014 no que diz respeito aos projetos que o Inhotim desenvolve?

    CT –  Vamos trabalhar para a unificação dos projetos sociais que envolvem música com uma visão de alcance nacional. É importante consolidar as ações em Brumadinho e arredores, para que, dentro de algum tempo possamos alcançar também outros municípios. Valorizaremos as ações em conjunto. A vivência musical deve ser desenvolvida de forma menos individualizada e mais coletiva. Teremos também a aquisição de dois pianos novos para os trabalhos de canto coral e aulas de percepção musical, além de novas instalações em Brumadinho, maiores e mais adequadas para as aulas e ensaios.

    BI – Quais as suas expectativas para essa nova trajetória junto aos alunos dos projetos?

    CT – Quero acompanhar de perto o desenvolvimento de cada aluno. É importante conhecê-los para indicar-lhes o direcionamento correto. Minha expectativa é de ver o crescimento musical deles, de vê-los sonhar com novas possibilidades.  A arte proporciona isso. Que o aprendizado e prática musical possam ser fatores influentes no desenvolvimento humano dos alunos e da comunidade de Brumadinho. Que possam afetar de forma positiva suas decisões e atitudes para uma melhor qualidade de vida e convivência social.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    17 de dezembro de 2013

    Redação Inhotim


    brumadinhocomunidadehistória

    Leitura: 2 min

    O lugar certo

    O lugar certo

    Brumadinho completa hoje 75 anos e se tornou uma das cidades brasileiras mais citadas na imprensa nacional e internacional. Para além de abrigar o Inhotim, o que lhe tem rendido a notoriedade dos grandes destinos turísticos do país, a cidade guarda um rico patrimônio cultural e natural.

    A população de cerca de 35 mil habitantes é formada por pessoas generosas e acolhedoras. As tradições religiosas e culturais das comunidades quilombolas da região são vivenciadas com o vigor de quem mantém no cotidiano o orgulho das raízes africanas. A vocação musical da cidade ganha vários ritmos nos instrumentos de suas bandas centenárias e nas vozes dos diversos corais que reúnem crianças, jovens e adultos.

    A natureza também foi bastante generosa com a cidade. Dois importantes biomas do mundo, a mata atlântica e o cerrado, se encontram no mar de montanhas do território de Brumadinho. Durante boa parte do ano, as brumas encobrem as montanhas e a cidade e os dias se iniciam com um ar leve e fresco.

    Logo, onde mais poderia estar o Inhotim? Em nenhum outro lugar do mundo. Por isso, nos orgulhamos de fazer parte dessa história.

    Homenagem do Instituto Inhotim pelos 75 anos de Brumadinho. 

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    03 de dezembro de 2013

    Redação Inhotim


    comunidadehistória

    Leitura: 5 min

    Simplicidade e história

    Simplicidade e história

    Um dia-a-dia tão tranquilo quanto silencioso. Casas muito simples, espalhadas pelo terreno acidentado da região.  Uma música baixa, chiada, vinda de um rádio antigo colocado na janela é um dos únicos sons que embalam a tarde. Ali vivem pessoas acanhadas, cujo olhar mistura cansaço e esperança. Por vezes, seus olhos se enchem d’agua ao relembrar da infância ou de algum familiar distante. Esse é o cenário de quem chega em Marinhos e Sapé, duas das seis comunidades quilombolas espalhadas pelo entorno do município de Brumadinho (MG). Marinhos tem cerca de 200 habitantes. Sapé, um pouco menor, abriga aproximadamente 50 casas. As duas, no entanto, carregam consigo um passado de resistência e boas histórias.

    A maioria dos moradores, principalmente os mais antigos, pode ser considerada um retrato vivo de um povo que luta por meio do trabalho. Localizada em uma região que costumava abrigar fazendas, muitos aprenderam a acordar ainda de madrugada e acompanhar os pais no serviço da lavoura. É o caso da dona de casa Maria Perpétua Socorro, 65 anos, nascida e criada em Sapé. “Quando éramos crianças, se trabalhava de sol a sol na roça. Meus pais me levavam junto com meus irmãos para ajudá-los todo santo dia. Foi assim que crescemos”, conta.

      Dona Perpétua foto Rossana MagriQuando mais nova, Dona Perpétua costumava ajudar na cozinha durante as festas típicas. Foto: Rossana Magri

    O passar dos anos fez com que a realidade mudasse um pouco. Atualmente, com as novas práticas rurais, há apenas pequenas hortas domésticas no quintal dos moradores. “Hoje, graças a Deus, não existe mais isso. Digo assim porque no passado sofríamos muito”, afirma Perpétua. Os desejos e objetivos de quem mora nas vilas também mudaram. Se antes o caminho quase que invariável era casar e continuar na região, hoje os jovens estão saindo cada vez mais para centros maiores. “Aqui não tem muito emprego, maneiras de estudar mais, então eles acabam saindo quando crescem”, conta Antônio das Graças Silva, marido de Perpétua, que tem dois filhos.

    Mas apesar da nova realidade, algumas práticas e antigos valores ainda são transmitidos de pais para filhos nas comunidades quilombolas de Brumadinho. As festas típicas e os cultos religiosos resistem ao tempo e são verdadeiros patrimônios culturais do estado. As chamadas Guardas de Congo e Moçambique, organizadas pela população, desfilam várias vezes ao ano, trazendo cores e cantos que preservam as crenças locais. Seja tocando algum instrumento, carregando a coroa ou mesmo ajudando na cozinha, o importante é não deixar morrer a tradição.

    Cortejo Congo Moc?ambique foto Rossana MagriCortejo Congo Moc?ambique mistura passado, presente e futuro. Foto: Rossana Magri

    A professora Nair de Fátima Santana, residente de Marinhos, participa desde nova das festas e ressalta que elas são fundamentais para resgatar a memória e as origens da região. “As celebrações mostram um pouco do que éramos e do que somos”, diz. De acordo com ela, há pouco tempo o termo “quilombola” ainda costumava incomodar. “Eu não gostava de ser reconhecida assim porque pensava que isso denominava alguém que sofreu, que não tinha perspectiva. Mas, com o tempo, me dei conta de que só estava negando a minha própria existência. Hoje vejo que ser quilombola é ser fruto de um povo carregado de significados. É justamente durante nossas comemorações que somos abençoados. Tentamos passar parte dessa história para as nossas crianças aqui na escola”, conclui orgulhosa.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 6 de 6« Primeira...23456