• EN
  • 16 de maio de 2014

    Redação Inhotim


    botânicabrumadinhoeducaçãomeio ambienteprogramação cultural

    Leitura: 4 min

    Palmeiras: ciclo de palestras

    Palmeiras: ciclo de palestras

    Com uma das maiores coleções de palmeira do mundo, o Inhotim realiza, no próximo sábado, 17 de maio, um ciclo de palestras com foto nessa família botânica. Entre os temas de discussão, estão o uso dessas plantas no paisagismo, principais cuidados, reprodução e utilidades. Confira a programação completa:

    Ciclo de Palestras – O Universo Botânico da Família Arecaceae

    Local: Espaço Igrejinha – Instituto Inhotim

    Entrada gratuita para visitantes

    1ª rodada – de 10h às 13h

    Palmeiras brasileiras novas e pouco comuns

    Palestrante: Harri Lorenzi. Engenheiro agrônomo e pesquisador, é fundador e atual diretor do Instituto Plantarum, em Nova Odessa/SP. Foi pesquisador convidado da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e já publicou dezenas de trabalhos científicos e livros sobre botânica.

    O uso das palmeiras no paisagismo

    Palestrante: Pedro Nehring. Paisagista do Inhotim, faz parte da história dos jardins que hoje compõem o instituto desde quando o local era uma propriedade particular. Realizou projetos em diversas cidades do Brasil, como Brasília e Rio de Janeiro.

    Por que estudar as palmeiras?

    Palestrante: Patrícia Oliveira. É graduada em Ciências Biológicas pelo Instituto Izabela Hendrix, e possui mestrado e doutorado em biologia vegetal pela Universidade Federal de Minas Gerais. No Inhotim há 2 anos, hoje faz parte da equipe de pesquisa, desenvolvimento e inovação em jardim botânico e meio ambiente.

    2ª rodada – de 14h30 às 17h

    Estudos anatômicos em estruturas reprodutivas de Arecaceae

    Palestrante: Sarah Barbosa Reis. Formada em ciências biológicas na Universidade Estadual de Montes Claros. Mestre em anatomia vegetal pelo departamento de botânica da Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é doutoranda na mesma linha de pesquisa, também na UFMG.

    A saúde das palmeiras

    Palestrante: Lívia Dias Lana. Engenheira agrônoma formada pela Universidade Federal de Viçosa. É especializada em paisagismo pelo Instituto de Arte e Projeto, em Belo Horizonte. É responsável pelo setor de sanitarismo do Inhotim e pela manutenção e revitalização do parque.

    O multiuso das palmeiras no cotidiano

    Palestrante: Luiz Eduardo Silva. Graduado em engenharia florestal pela Universidade Federal de Lavras. Integra a equipe de mapeamento e inventário de plantas do Instituto e é responsável pela identificação botânica.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    15 de maio de 2014

    Redação Inhotim


    arteeducaçãoinhotim escolaprogramação cultural

    Leitura: 2 min

    Marilá Dardot e Trabalho

    Marilá Dardot e Trabalho

    “Durante a Bolsa Pampulha, morávamos juntos na Rua Apodi, 69 eu, Sara Ramo, Matheus Rocha Pitta e, eventualmente, Rodrigo Matheus. Era julho ou agosto de 2003, e finalmente coincidíamos eu e Cinthia Marcelle em Belo Horizonte na época dos ipês. Era nossa chance de fazermos Irmãs, um trabalho há muito pensado por nós duas, que aguardava essa ocasião. Naqueles dias, Matheus estava viajando. Era domingo, e nos sentamos eu, Sara e Rodrigo para fazer as flores que seriam usadas para colorir o chão dos ipês com cores trocadas. Rodrigo queria testar uma câmera de segurança para seu trabalho, por isso a posicionamos em frente ao sofá. No meio do processo, começamos a refletir sobre a natureza de nosso trabalho, e me lembrei de uns papéis com antigos escritos didáticos que tinha comprado na feira do troca-troca do Rio, quando eu trabalhava para Rosângela Rennó. SOMOS ÚTEIS. ÚTEIS. NÓS TRABALHAMOS. PRECISAMOS PARA VIVER. Assim nasceu Selvagens Nocivos e o seu primeiro trabalho, o vídeo A cada dia

    Marilá Dardot, sobre sua relação com a palavra trabalho.

    Mineira de Belo Horizonte, a artista é uma das participantes do Seminário Espaço Trabalho e História, que acontece nos dia 23 e 24 de maio, no Museu Histórico Abílio Barreto. O evento e é gratuito e faz parte das atividades de 2014 do Inhotim Escola. Confira a programação completa do evento aqui.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    12 de maio de 2014

    Ignácio de Loyola Brandão

    Escritor, possui 41 livros publicados, entre eles “O Menino que Vendia Palavras”, vencedor do prêmio Jabuti de 2008


    artemeio ambientevisita

    Leitura: 5 min

    Inhotim ou Shangri-La

    Inhotim ou Shangri-La

    Quando vi aquela máquina colossal, estrangulando uma árvore com garras dinossáuricas, colocada por Mathew Barney no centro de uma redoma, tive dois insights. O primeiro foi: aqui está a capa para o romance Não Verás País Nenhum, um de meus livros mais bem-sucedidos, que mostra o Brasil sem árvores, sem água, aquecido e em constante aquecimento, São Paulo paralisada por gigantescos congestionamentos, a violência imperando. Ainda hei de pedir autorização para uma das próximas edições, essa obra Lama Lamina (2009), símbolo dos tempos atuais.

    Foi uma das (muitas) coisas que muito me impressionou na minha passagem pelo Inhotim. Nosso tempo está ali refletido. E quando, olhando para o alto, vi a máquina, vi a mim mesmo, vi a densa vegetação que envolve cada pavilhão e vi tudo refletido mil vezes pela cúpula geodésica. Lembrei-me de um dos períodos curiosos de minha vida, a de editor da revista Planeta, publicação que, na época, rompeu fronteiras ao falar de futuro, mundos extraterrestres, de universos paralelos, poder do pensamento, civilizações primitivas mais desenvolvidas que as atuais, descobertas insólitas da ciência. Planeta foi a primeira revista não especializada que falou da Cúpula Geodésica do arquiteto Buckminster Fuller, destinada a “proteger” casas ou cidades. Talvez necessitemos hoje de cúpulas geodésicas para nos proteger da atmosfera poluída, por nós desconstruída.

    Pensei: isto é arte? O que é arte? Minha resposta é profundamente pessoal. Tudo que é belo (ou terrível) que me impressiona, me faz pensar, me modifica. Acaso o quadro O Grito (1893), de Munch, é belo, suave? Não. E, no entanto, nos encanta porque aquele grito é o nosso; entendemos o porquê dele, a angústia que permeia. Assim, completamente aberto percorri o parque Inhotim. Aliás, a primeira pergunta que fiz foi o porquê desse nome indefinível. Lá atrás, nestas terras, quando aqui ainda era fazenda, havia um americano chamado Timothy. Difícil para o caboclo mineiro pronunciar, abreviaram o nome para Tim, ao qual acrescentaram o nosso brasileiríssimo Nhô (senhor). Nhô Tim. Dai a Inhotim foi um pulo.

    Como jornalista e escritor, andei mundo. Nunca conheci nada igual, nunca li sobre algo parecido. Admito que à distância é difícil perceber o que é Inhotim. Uma coisa pioneira, audaciosa, utópica. É um museu? É e não é? É uma galeria? É e não é. E o que é então: um parque das artes contemporâneas. E quem não gosta da arte contemporânea? Visite. Pode confirmar seu gosto, pode mudá-lo. Mas não há a mínima possibilidade de sair imune. Quase escrevi impune. Você vai se questionar, vai se render a muita coisa, vai repudiar. Há um truque (seria subliminar?). No momento em que você deixa um dos muitos espaços, se reconcilia com o mundo, a vida, com tudo, envolvido pela vegetação de um dos mais belos parques que conhecemos. Se todos os sentimentos que uma obra despertou (choque, alegria, repulsa, seja o que for) se mantiverem, alegre-se, você foi mudado, metamorfoseado. E vai carregar Inhotim para sempre.

    Organize-se ao chegar. Converse com os monitores (nem sei se é este o nome que dão ali), apanhe os folhetos. O que desejo ver? Helio Oiticica, Chris Burden, Adriana Varejão, Miguel Rio Branco (insisto, não perca Miguel), Cildo Meireles (questione-se: o que ele pretende com esse vermelho?), Tunga, e dai em diante, porque os criadores são muitos.

    Aconselho a caminhar, o ar é fresco, há sol e regiões sombreadas, o tempo fica paralisado. Ao se cansar, procure os bancos feitos com troncos do Pequi Vinagreiro, sente-se, deixe-se tomar pelos fluidos que uma árvore centenária traz. No ar, borboletas multicoloridas. E os lagos, os espelhos de água, todos azuis, nos quais o parque se reflete, narciso que é. Conselho final, ali um dia é bom. Mas por que não dois para ver tudo, rever algumas coisas, isolar-se deste insensato mundo? Assim como Swift imaginou Liliput, James Hilton idealizou Shangri-La, J.M. Brarie fundou a Terra do Nunca (Peter Pan) e L. Frank Baum descobriu a terra de Oz, Monteiro Lobato construiu o Sítio do Pica Pau Amarelo, Bernardo Paz criou Inhotim, nosso imaginário exacerbado.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    08 de maio de 2014

    Redação Inhotim


    arteeducaçãoinhotim escolaprogramação cultural

    Leitura: 2 min

    Marcius Galan e Espaço

    Marcius Galan e Espaço

    “No meu trabalho, o espaço é um assunto recorrente e é tratado de maneiras muito distintas. Proponho exercícios que vão desde instalações onde a percepção do espectador é testada, às vezes desconstruindo a ideia de precisão nas representações do espaço (mapas, plantas arquitetônicas, etc..) e até em relações banais com os espaços de preenchimentos burocráticos do dia a dia. São escalas diferentes de atuação, mas tratados com a mesma intensidade.”

    Marcius Galan, sobre sua relação com a palavra espaço.

    O artista, que possui duas obras em exibição no Inhotim, é um dos participantes do Seminário Espaço Trabalho e História. O evento acontece nos dia 23 e 24 de maio, no Museu Histórico Abílio Barreto e é gratuito. Veja a programação completa aqui.

    Conheça um pouco mais sobre Marcius Galan e seu trabalho nos vídeos a seguir:

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    06 de maio de 2014

    Raquel Novais

    Diretora de Inclusão e Cidadania do Inhotim


    brumadinhocomunidadevisita

    Leitura: 4 min

    Um estímulo à transformação

    Um estímulo à transformação

    Estar no Inhotim provoca experiências diversas, pois se trata de um lugar múltiplo, transformador, inquietante e, o que já se torna senso comum, extremamente belo. As obras de arte contemporânea expostas singularmente no Inhotim e os jardins se articulam de tal maneira que cada visita denota uma nova experiência.

    Para além da contemplação e os sentimentos dela derivados, o Inhotim apresenta vertentes muitas vezes desconhecidas das centenas de milhares de visitantes que por lá passam anualmente. Uma delas diz respeito ao impacto na vida dos moradores da cidade que acolhe generosamente o Inhotim. A decisão do idealizador Bernardo Paz em manter e incorporar o nome da antiga vila, onde os jardins começaram a abrigar as obras de arte, evidencia o desejo de não se dissociar da história do lugar. A estranheza inicial que o nome provocava no grande público foi superada rapidamente e hoje dizer “Inhotim” já não demanda tantas explicações.

    Ter se tornado o maior empregador privado da cidade, com 1.300 funcionários, sendo que destes, mais de 80% são originários de Brumadinho e região, e, ainda, representar o primeiro emprego de mais de 400 jovens da cidade fazem com que o Inhotim permeie a vida pública e privada de milhares de brumadinhenses. Há, também, outra relação direta do Inhotim com a cidade que ocorre a partir da mobilização dos acervos de arte e de botânica nos projetos sociais e educativos. Tais projetos expõem crianças, jovens e adultos a questões fundamentais da contemporaneidade, formuladas a partir do contato com o que há de mais relevante no cenário da arte contemporânea e de uma agenda mundial relacionada à biodiversidade e, mesmo, ao futuro do planeta.

    Não bastando essas iniciativas, o Inhotim viabiliza, a partir deste mês, a meia-entrada para todos os moradores de Brumadinho, residentes há mais de três anos no município, por meio do programa Nosso Inhotim. Essa iniciativa é mais um estímulo para que o cidadão frequente e se aproprie desse lugar que atrai visitantes de todas as partes do mundo. Ter um equipamento cultural como o Inhotim é um ganho inestimável para a cidade. Ter os moradores de Brumadinho passeando cada dia mais pelos jardins e galerias do Inhotim é cumprir o principal objetivo do Instituto: ser um lugar transformador e que inspire um novo modelo de vida.

    Programa Nosso Inhotim:

    Quem tem direito à meia-entrada: moradores do município de Brumadinho, residentes há mais de três anos na região;

    Documentos necessários: carteira de identidade (ou equivalente) e comprovante de residência;

    Cadastramento: sempre às quartas-feiras, das 11h às 14h, na recepção do parque. Também pode ser realizado pelo e-mail nossoinhotim@inhotim.org.br. Haverá, ainda, cadastramento mensal em Brumadinho. No sábado, 7/06, por exemplo, a equipe do programa estará presente na Praça da Rodoviária, de 9h às 13h, atendendo aos interessados.

    Será emitida uma carteirinha de participação do programa, que deve ser apresentada sempre que o participante for visitar o Inhotim. Ela deverá ser retirada na recepção pelo titular, às quartas-feiras, de 11h às 14h, com assinatura de comprovante de recebimento.

    Mais informações: (31) 3571-9700

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 41 de 50« Primeira...102030...3940414243...50...Última »