• EN
  • 14 de março de 2016

    Redação Inhotim


    Leitura: 4 min

    Dias de aprendizado nos jardins do Inhotim

    Dias de aprendizado nos jardins do Inhotim

    A chuva se preparando pra cair do céu não foi motivo de desânimo para o grupo de mais de 200  pessoas que esperavam com ansiedade o paisagista Raul Cânovas e o engenheiro agrônomo do Inhotim Juliano Borin para o primeiro Curso de Paisagismo do Instituto, realizado de sexta a domingo no Parque. Gente de diferentes partes do Brasil estavam ali para três dias de prática e reflexão sobre o poder transformador dos jardins. “Não podemos perder a nossa essência. E isso vem, em primeiro lugar, da nossa paisagem. Pensando de uma forma muito simples e simbólica, quando o homem primitivo acorda, a primeira coisa que ele olha é o horizonte, é a paisagem. Devemos valorizar e cuidar disso com carinho”, disse Raul, logo ao iniciar o curso.

    Com bom humor, a dupla deu início ao curso falando sobre o que Raul afirmou ser o pilar do paisagismo, por oferecer, flores, frutos e sombra: as árvores. Segundo ele,  o Brasil é um lugar privilegiado por proporcionar uma “eterna primavera” devido ao seu clima predominantemente tropical que faz possível espécies florescerem o ano inteiro. Juliano usou sua experiência profissional com agronomia em diferentes lugares do Brasil e do mundo para contar mais sobre cuidados, curiosidades e características de diferentes espécies. As palmeiras também foram tema do debate, assim como os arbustos, as trepadeiras e as herbáceas.

    Durante os três dias, os alunos tiveram a chance de passear por entre os caminhos do Parque, observando, junto a Raul e Juliano, as espécies que compõem o Inhotim. O passeio serviu para mostrar como cores, formas e texturas podem inspirar na montagem do jardim de cada um.  Raul explicou sobre a importância em atentar para as diferentes sensações que cada planta desperta dentro das pessoas. A flor branca, por exemplo, é uma boa opção para lugares abertos, provocando o sentimento de frescor quando contrasta com o azul do céu,  ideal para estar perto de piscinas e áreas de lazer. Já a palmeira, passa a sensação de tranquilidade e flexibilidade “se vem uma tormenta, ela se inclina. Pode até quase cair, mas se reergue. Sem contar o fruto, que é puro potássio. Não é atoa que uma pessoa abraça uma palmeira quando se sente angustiada”, pontuou Raul.

    Raul e Juliano também levaram aos alunos debates sobre a organização dos jardins, a importância da presença da curva no paisagismo e os cuidados com a iluminação. Cânovas explicou que evitar um caminho todo reto é importante para incentivar o contato das pessoas com a natureza. “A curva foi uma descoberta para o paisagismo, ela nos remete ao universo, porque te obriga a olhar em volta, a estar consciente do seu próprio caminhar”, disse Raul, sempre de forma poética e serena.

    A dupla concluiu o curso no final da tarde deste domingo com a certeza de ter despertado nos alunos um olhar mais carinhoso e cuidadoso sobre as formas de se fazer um jardim. Durante as aulas, o que ficou do discurso de Cânovas foi a convicção de que as plantas não possuem emoção, mas têm sentimentos. Sentem frio, calor, sede, adoecem… São seres que vivem, transmitem energia e não apenas enfeitam, mas também fazem dos lugares um lugar de aconchego e paz.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    19 de fevereiro de 2016

    Flávia Azevedo

    Amiga do Inhotim, pesquisadora e curadora independente,


    Leitura: 3 min

    Arte, natureza e literatura na Biblioteca Inhotim

    Arte, natureza e literatura na Biblioteca Inhotim

    Desde que me aventurei pelo caminho da curadoria, venho prestando bastante atenção em espaços de convivência para leituras, estudos e pesquisas. Como frequentadora assídua do Instituto não deixo escapar detalhes de qualquer cantinho que seja.

    Em minha última visita, me deparei com uma interessante – e importante – descoberta. Não era mais uma surpreendente galeria, obra de arte ou espécie botânica, mas sim uma singular biblioteca no Centro de Educação e Cultura Burle Marx.

    Fiquei impressionada pelo vasto acervo de mais de 6 mil títulos não só sobre arte moderna e contemporânea, mas também botânica e muito mais. Títulos especiais, minuciosamente catalogados, dos mais diversos artistas e editoras, nacionais e internacionais.

    Além dos livros que se aprofundam nas coleções de arte do Inhotim, o acervo também contempla livros biográficos dos artistas, catálogos de exposições e bienais, textos diversos e várias outras obras literárias relacionadas aos diversos movimentos artísticos e história da arte.

    O acervo é ímpar. Me deparei com singulares livros de arte que não são fáceis de encontrar em bibliotecas ou livrarias hoje em dia, assim como edições raras que já não são produzidas mais.

    Ah, e não podia deixar de mencionar o lúdico do ambiente. A biblioteca é um espaço de convivência – silencioso, claro -,  fantástico que convida diferentes tipos de públicos e leitores, inclusive os mirins. Recomendo a visita para pesquisadores, estudantes e todos que se interessam por artes plásticas, fotografia, história, literatura e botânica. O espaço é propício para breves leituras numa tarde chuvosa e também para aqueles que buscam debruçar-se em longos projetos de pesquisa.

    Frequentar a Biblioteca do Inhotim, me faz refletir cada vez mais sobre o papel destes espaços na sociedade contemporânea. Assim como os museus, é preciso pensar a biblioteca como importante espaço de convivência cultural que estimula nossa imaginação e relação com a cultura.

    E essa é a proposta da Biblioteca do Inhotim, convidar o público para uma experiência rica em conhecimento que contempla uma coletânea de obras literárias que envolve toda a essência do Instituto. Afinal, arte, natureza e literatura são um excelente convite.

    Imagine um rico acervo literário situado no meio de toda a exuberância da natureza em uma das paisagens mais únicas de Minas Gerais. Como disse o filósofo Cícero, “se temos uma biblioteca e um jardim, temos tudo”.

    Conheça a Biblioteca do Inhotim.  De segunda a sábado de 09:00 às 17:00.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 3 de 3123