• EN
  • 05 de fevereiro de 2018

    Redação Inhotim


    artearte contemporâneainhotim

    Leitura: 12 min

    Yayoi Kusama, a artista que cria arte para “a cura da humanidade”

    Yayoi Kusama, a artista que cria arte para “a cura da humanidade”

    Em 1999, a Revista BOMB (edição 66) publicou uma entrevista com  Yayoi Kusama, autora da obra “Narcissus garden : Inhotim” (2009), exposta no topo do Centro Educativo Burle Marx. O trabalho da artista japonesa guarda uma história interessante, já que se trata de uma versão de uma escultura originalmente apresentada em 1966 para uma participação de Yayoi na 33a Bienal de Veneza. Naquela ocasião, ela instalou clandestinamente 1.500 bolas de aço inoxidável que eram vendidas a quem passasse por US$ 2 cada, sobre um gramado em meio aos pavilhões. As esferas continham uma placa onde estava escrito “Seu narcisismo à venda”, revelando de forma irônica sua mensagem crítica ao sistema da arte e seus sistemas de repetição e mercantilização. A intervenção levou à retirada de Kusama da Bienal, onde ela só retornou  representando o Japão oficialmente em 1993. Na versão de Inhotim, 500 esferas de aço inoxidável flutuam sobre um espelho de água, criando formas que se diluem e se condensam de acordo com a força do vento. Resgatamos aqui a entrevista com a artista. Entender melhor sua história de vida abre ainda mais possibilidades de interpretar a obra desta artista que já acumula 70 anos de carreira.

    GT: Você teme que as pessoas talvez estejam interessadas na sua biografia à custa da sua arte?
    YK: Eu não tenho esse medo. Meu trabalho é uma expressão da minha vida, particularmente da minha doença mental.

    GT: Você vive em um hospital psiquiátrico. É verdade que você se internou voluntariamente?
    YK: Eu fui internada em um hospital em Tóquio em 1975 onde eu tenho morado desde então. Eu escolhi viver aqui seguindo o conselho de um psiquiatra. Ele sugeriu que eu pintasse quadros no hospital enquanto seguisse com meu tratamento. Isso aconteceu enquanto eu viajava pela Europa, montando minhas exibições de moda em Roma, Paris, Bélgica e Alemanha.

    GT: Apesar de você ter sido internada, você é uma artista e escritora muito ativa. Onde você trabalha?
    YK: Eu trabalho no meu condomínio/estúdio perto do hospital.

    GT: Você diz que a sua arte é uma expressão do seu transtorno psiquiátrico? De que maneira?
    YK: Minha arte tem origem em alucinações que somente eu consigo ver. Eu traduzo as alucinações e imagens obsessivas que me assombram em esculturas e pinturas. Todos os meus trabalhos em pastel são produtos de uma neurose obsessiva e são, portanto inextricavelmente ligados à minha doença. No entanto, eu crio obras mesmo quando não vejo alucinações.

    GT: Você nasceu em Matsumoto, uma cidade de médio porte na região central do Japão, em 1929. A guerra não afetou grandemente a sua família uma vez que Matsumoto era bastante isolada e sua família era abastada. Isso é verdade?
    YK: A nossa casa escapou à destruição durante a guerra e nossa despensa estava cheia de suprimentos, então nós tínhamos o suficiente para nos alimentar, felizmente. Sim, minha família é bastante rica. Eles são responsáveis pela gestão de imóveis e empresas de armazenamento. Eles também vendem por atacado sementes de plantas cultivadas em suas grandes fazendas. Eles têm gerido esse tipo de negócio por 100 anos.

    GT: Mas mesmo assim a sua infância foi bastante horrenda. Suas descrições da sua mãe são de arrepiar.
    YK: Minha mãe era uma mulher de negócios muito perspicaz, sempre terrivelmente ocupada com o seu trabalho. Eu acredito que ela contribuiu significativamente para o sucesso dos negócios de família. Mas ela era extremamente violenta. Ela odiava me ver pintando, então ela destruía as telas com as quais eu estava trabalhando. Eu tenho pintado quadros desde os dez anos de idade, quando eu comecei a ter alucinações. Eu as produzia em grande quantidade. Mesmo antes de eu começar a pintar, eu era diferente das outras crianças. Minha mãe me batia e me chutava todos os dias, irritada que eu estava sempre pintando.  Ela me forçava a ajudar os empregados, mesmo quando eu tinha que estudar para as provas finais. Eu ficava tão exausta que me sentia muito insegura às vezes. Meu pai, um conquistador, estava constantemente ausente. Ele era uma pessoa de coração gentil, mas tendo se casado com a minha mãe e entrado para a sua família, e, estando sempre sobre o controle financeiro dela, ele não tinha um lugar em casa. Ele deve ter se sentido completamente desmoralizado. Meu irmão mais velho também era contra a minha inclinação para a pintura. Todos os meus irmãos me disseram para eu me tornar uma colecionadora ao invés de pintora.

    GT: Tendo em vista a sua vida em família, não surpreende o fato de você ter tido a vontade de sair de casa ainda jovem. Você foi para Kyoto, onde se matriculou em cursos acadêmicos de arte. Esse foi o seu único treinamento formal como artista?
    YK: Eu fui para Quioto simplesmente para fugir da violência da minha mãe. Eu raramente frequentava as aulas; eu achava a escola muito conservadora e os professores desatualizados em relação à realidade do mundo moderno. Eu pintava quadros no dormitório ao invés de frequentar as aulas. Por a minha mãe ser tão veementemente contra eu me tornar artista, eu me tornei emocionalmente instável e sofri um surto nervoso. Foi por volta dessa época, na minha adolescência, que eu comecei a receber tratamento psiquiátrico. Traduzindo alucinações e medo de alucinações em pinturas, eu tenho tentado curar a minha doença.

    GT: [sobre o período em que Kusama se mudou para Nova York, no final dos anos 50] depois de 18 meses de sua chegada, você teve a sua primeira exposição solo. As paredes da galeria estavam ocupadas por 5 telas enormes cobertas com redes infinitas branco-sobre-branco. Pinceladas pintadas meticulosamente criavam uma trama quase invisível ao olho nu. A exposição foi aclamada por críticos incluindo Dore Ashton e Donald Judd – você foi até mesmo comparada ao Pollock. Esse primeiro sucesso deve ter sido empolgante.
    YK: Eu disse para mim mesma, eu consegui! Eu comecei a me associar a colegas que também estavam desenvolvendo novos tipos de pintura. Eu me tornei amiga de artistas tais como Eva Hesse e Donald Judd.

    GT: É curioso que Judd tenha ficado tão impressionado com o seu trabalho, já que os seus trabalhos antecipavam uma estética minimalista que depois seria liderada por ele. Você se considera minimalista?
    YK: Eu sou uma artista obsessiva. As pessoas podem me classificar de outra forma, mas eu simplesmente as deixo me chamar do que quiserem. Eu me considero uma herege do mundo da arte. Eu penso apenas em mim mesma quando eu faço meu trabalho. Afetada pela obsessão que se instalou em meu corpo, eu criei obras em uma rápida sucessão, meu próprios “ismos”. […] Eu continuarei a criar trabalhos de arte enquanto a minha paixão me mover. Eu sou muito tocada pelo fato de que tenho muitos fãs. Eu venho lutando com a arte como uma terapia para a minha doença, mas eu suponho que não saberei como minha arte é avaliada enquanto estiver viva. Eu crio arte para a cura da humanidade.

    Sete décadas de carreira
    Por mais de setenta anos, Yayoi Kusama desenvolve uma prática, a qual apesar de conter influências do surrealismo, minimalismo, pop art, Eccentric Abstraction [abstração excêntrica], e dos movimentos Zero e Nul, resiste a qualquer classificação singular. Nascida em Matsumoto (Japão) em 1929, ela estudou pintura em Kyoto antes de se mudar para Nova York no final dos anos 1950, e por volta da metade da década de 60 já tinha se tornado conhecida no universo avant-garde por seus provocativos happenings e exibições. Desde então, os extraordinários esforços artísticos de Kusama têm abarcado pintura, desenho colagem, escultura, performance, filme, gravura, instalação e arte
    circunstancial, bem como literatura, moda (notadamente, na sua colaboração com Louis Vuitton em 2012) e design de produto.

    Uma característica contínua do trabalho artístico único de Kusama é a estrutura intrincada de tinta que cobre a superfície dos seus quadros Infinity Net [rede infinita], os espaços negativos entre os loops individuais desses padrões abrangentes que emergem como delicadas bolinhas. Esses motivos tem suas raízes em alucinações com as quais ela sofre desde a infância, e nas quais o mundo aparece para ela coberto de formas que se proliferam. Criando um caminho entre o expressionismo abstrato e minimalismo, Kusama mostrou pela primeira vez suas brancas Infinity Nets [redes infinitas] em Nova York no final dos anos 50 e foi aclamada pela crítica. Ela continua a explorar as possibilidades dessas obras em trabalhos monocromáticos os quais são cobertos com malhas que parecem flutuar e se dissolver na medida em que o observador se move ao seu redor.

    Outro motivo chave é a forma da abóbora, a qual atingiu um status quase mítico na obra de Kusama desde o final dos anos 40. Vinda de uma família que se sustentava cultivando sementes de plantas, Kusama conhecia a abóbora kabocha dos campos que circundavam a casa de sua infância e esse fruto continua a ocupar um lugar especial na iconografia da artista. Ela tem descrito as suas imagens da abóbora como uma forma de autorretrato.

    A partir dessas obras e de suas esculturas acumulativas, nas quais objetos do dia-a-dia se tornam provocativos através de uma cobertura de esculturas flexíveis de formato fálico ou macarrão seco, considerando suas esculturas monumentais e instalações ao ar livre, como o Narcisus Garden, criado em 1966 na ocasião da primeira participação de Kusama da Bienal de Veneza, além das fascinantes ilusões provocadas por seus experimentos recentes com instalações formadas por quartos espelhados, o trabalho de Kusama é amplo, expansivo, e imersivo.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    30 de janeiro de 2018

    Redação Inhotim


    Leitura: 4 min

    Venha carnavalizar entre a arte e a natureza do Inhotim

    Venha carnavalizar entre a arte e a natureza do Inhotim

    Vai curtir o Carnaval no Inhotim? A nossa equipe educativa pensou em uma programação para quem quiser curtir a folia por aqui e também para quem preferir aproveitar o feriado em um passeio entre os acervos do Parque, sem compromisso.

    Estaremos abertos de sábado à terça-feira, inclusive na segunda-feira, das 9h30 às 17h30, com entrada a R$ 44 (inteira). Já na Quarta-feira de Cinzas, a entrada é gratuita, com o horário de funcionamento igual aos demais dias.

    Se você quiser dicas de hospedagem, de como chegar e de como comprar seu ingresso online, acesse o nosso site! Ah, e não se esqueça de levar o seu cartão de vacina comprovando que já se imunizou contra a febre amarela. A entrada no Instituto só será permitida com a apresentação do documento provando que a vacina foi tomada no mínimo 10 dias antes da visitação.

    Confira o que vem por aí e programe sua visita:

    -Visita Temática: Diversidade e representatividade na arte contemporânea
    Qual a importância deste tema para os museus do Brasil e do mundo? A partir do próprio acervo artístico do Inhotim, a visita aborda o tema e propõe uma reflexão coletiva sobre as diferentes formas de se trabalhar a diversidade na cultura. O passeio é gratuito. Quer participar? É só avisar sobre seu interesse na recepção.
    Quando: sábado, domingo e quarta-feira.
    Horário: 10h30

    -Ativação poético-flutuante na Piscina (2009), Jorge Macchi
    “Piscina” (2009) , trabalho do artista argentino Jorge Macchi, teve origem de uma aquarela pintada por ele no formato de uma caderneta telefônica. Quem visita o Inhotim tem a chance de viver uma experiência singular: nadar em uma obra de arte. Nesta atividade, você será convidado a brincar com letras soltas que se misturam com a própria obra. Ao longo dessa mediação em palavras flutuantes, a conversa sobre os limites entre o cotidiano e a arte contemporânea podem vir à tona, assim como as histórias dos demais trabalhos de Macchi e da relação com o ambiente do Inhotim. A atividade é gratuita e para todas as idades.
    Quando: todos os dias do Carnaval.
    Horário: 14h às 16h.

    -Visita panorâmica
    Para quem quer conhecer o Inhotim de uma forma geral, entender sua origem e as características dos acervos artístico e botânico, a visita panorâmica é uma ótima opção. Durante uma hora, a equipe educativa conduz o grupo por alguns pontos estratégicos do Insituto, apresentando o espaço e esclarecendo dúvidas. A visita é gratuita e tem duração de uma hora.
    Quando: todos os dias do Carnaval.
    Horários: saída às 11h e às 14h.

    -Estação Folia 
    A Estação Educativa para Visitantes convida adultos e crianças a construir brinquedos para cair na folia! Lançadores de confete e barangandãs arco-íris irão fazer a alegria da meninada e colorir os jardins de Inhotim. Aproveite para conhecer o espaço, onde também está localizada a Biblioteca do Inhotim.
    Quando: todos os dias do Carnaval.
    Horário: 10h às 12h.

    Esperamos você por aqui!

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    16 de janeiro de 2018

    Redação Inhotim


    Leitura: 4 min

    Um encontro marcado entre quem faz o Inhotim acontecer

    Um encontro marcado entre quem faz o Inhotim acontecer

    Três vezes por semana, funcionários e funcionárias do Inhotim se reúnem em lugares variados do Instituto com um único objetivo: conhecer melhor o espaço onde trabalham, sentindo-se à vontade para desfrutar de todas as possibilidades por aqui. Desde 2009, o projeto Encontro Marcado busca a integração entre as diferentes áreas e a democratização do acesso aos acervos botânico, artístico e histórico-cultural do Inhotim. Os encontros são realizados ao longo de todo o ano, com carga horária de 2 horas cada, e são desenvolvidos pela Gerência de Educação.

    As reuniões possuem um caráter de “formação temática”, e quem quiser participar se inscreve autonomamente em uma coletânea de encontros propostos pela equipe educativa. A disponibilidade de cada pessoa é conversada com a gerência das equipes, e os participantes e as participantes podem se inscrever em quantos encontros quiserem. Esses momentos são construídos através de ações teórico-práticas e, em sua maioria, resultam em uma produção plástica feita por quem participa. Até o próximo sábado, dia 20 de janeiro, uma mostra dos trabalhos desenvolvidos durante os Encontros Marcados de 2017 está em exibição na Biblioteca Inhotim.

    Essa ideia de integração surgiu a partir da iniciativa de duas funcionárias da Biblioteca Inhotim. Estas, ao serem abordadas por um jardineiro do Instituto, foram questionadas se ele poderia entrar para ler um livro. A pergunta evidenciou uma necessidade em fazer com que as próprias pessoas que trabalham no Parque conheçam o lugar, tendo dimensão de todas as áreas e se sentindo livres para usar os espaços.

    Após o episódio, algumas ações foram elaboradas para serem desenvolvidas ao longo do ano, incentivando esse sentimento de pertencimento entre funcionários e funcionárias e o Inhotim. Uma vez por mês, um encontro era marcado (deu-se a origem do nome) em locais específicos, tais como: biblioteca, galerias de arte e jardins do Inhotim, apresentando a quem se inscrevesse um universo de informações e possibilidades às quais essas pessoas não tinham acesso. Inicialmente, somente a equipe de jardineiros e jardineiras era contemplada com as ações do projeto, porém logo se percebeu o impacto positivo gerado no cotidiano dos funcionários, entendendo-se, portanto, a importância do alcance de todas as equipes das áreas de atendimento ao público e manutenção do Museu. Hoje em dia, as inscrições são abertas para todos os interessados e interessadas e os encontros têm ocorrência semanal.

    Durante um dos encontros, participantes aprenderam a fazer monotipia.

    Durante um dos encontros, participantes aprenderam a fazer monotipia.

    Ouvir, ao final de cada atividade, o depoimento emocionado por parte de funcionários que trabalham no Instituto há mais de três anos e que nunca haviam entrado em determinada galeria, na biblioteca ou simplesmente passado por um dos jardins traz a motivação e o desejo para a realização permanente desse projeto. O Encontro Marcado se consolidou como um espaço de socialização entre as equipes do Instituto, permitindo o exercício do respeito, diálogo, cooperação e abertura para o outro, além de estimular a colaboração entre áreas do Inhotim.

    *Esse texto foi escrito por William Costa, educador do projeto Encontro Marcado.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    27 de dezembro de 2017

    Redação Inhotim


    artebotânicabrumadinhoeducaçãojaneiro; férias

    Leitura: 8 min

    Verão no Inhotim: confira a programação educativa de janeiro

    Verão no Inhotim: confira a programação educativa de janeiro

    Janeiro é mês de férias para muita gente. E para receber a turma toda por aqui, a equipe educativa do Inhotim pensou em uma programação que agradasse a todas as idades. Tem oficinas, brincadeiras e visitas mediadas para fazer do passeio no Inhotim um momento bom para todas as famílias, amigos e amigas. E claro, para quem vem só também.  Confira as atividades oferecidas e prepare sua visita. Ah… e é sempre bom lembrar que temos um ponto de apoio  onde você tira todas suas dúvidas sobre o Instituto. É a Estação Educativa para Visitantes, localizada no Centro de Educação e Cultura Burle Marx. Lá, sempre vai ter gente para te orientar da melhor forma.

    – Oficina de Carimbo Artesanal
    Seja para autenticar documentos ou para indicar datas, os carimbos têm uma história antiga e estão presentes em vários locais. Todos os países têm sua história documentada por meio dos carimbos, que fixam os acontecimentos marcantes situando-os no tempo e no espaço. Através da confecção de carimbos artesanais no Inhotim, a oficina tem como objetivo a exploração de uma linguagem que remonta as origens da comunicação gráfica, além de levantar possibilidades de diálogos com os acervos do Instituto a respeito das questões de autenticidade e reprodutibilidade das obras de arte, aproximando o público do entendimento de uma linguagem que foi precursora para as mídias que hoje fazem parte do nosso cotidiano.
    Quando: 03 e 06 de janeiro (quarta-feira e sábado)
    Horário: 14h às 16h Local: Centro de Educação e Cultura Burle Marx
    Público: adultos e crianças acima de 10 anos
    Observação: limite de 20 vagas, inscrições no local por ordem de chegada

    – Oficina de Furoshiki
    O Furoshiki é uma tradicional forma japonesa de embrulhar presentes, transportar objetos como garrafas, caixas e outros objetos. Utilizando de um pedaço de tecido de forma quadrangular e algumas técnicas de dobradura e amarração do lenço, é possível criar inclusive bolsas para serem usadas no dia a dia. Além de criativo e versátil o Furoshiki ainda contribui para a redução do uso de bolsas plásticas. Adultos e crianças são convidados a participar desta divertida atividade!
    Quando: 10 e 13 de janeiro (quarta-feira e sábado)
    Horário: 14h às 16h Local: Centro de Educação e Cultura Burle Marx
    Público: adultos e crianças acima de 10 anos Observação: limite de 10 vagas, inscrições no local por ordem de chegada

    – Oficina de Colagem
    A colagem é um procedimento técnico, que constitui em se utilizar de vários materiais, umas sobre as outras ou lado a lado, formando uma nova imagem ou composição. Tem surgimento datado da história antiga, entretanto teve seu valor artístico reconhecido a partir do século XX, com sua utilização no Cubismo (grandes nomes como Pablo Picasso e Georges Braque, entre outros, foram pioneiros na utilização desta técnica). Através de processos de colagens e técnicas mistas, o participante é sensibilizado a repensar de maneira artística e sustentável a utilização de diversos materiais e suportes, como madeira, pedaços de jornal e objetos. A colagem é uma técnica que põe em questão os limites entre pintura e escultura, o que é hoje a grande questão da arte contemporânea.
    Quando: 17 e 20 de janeiro (quarta-feira e sábado)
    Horário: 14h às 16h Local: Centro de Educação e Cultura Burle Marx
    Público: adultos e crianças acima de 10 anos
    Observação: limite de 25 vagas, inscrições no local por ordem de chegada

    – Oficina de Flipbook
    A criação da fotografia e do cinema foram extremamente revolucionarias, principalmente nas artes e nas ciências. O Flipbook ou Folioscópio é uma tradicional técnica cinematográfica experimental que trata de dar a sensação de movimento a imagens por meio de rápida alternação das mesmas. Através da oficina de Flipbook o visitante é convidado a experimentar e conhecer os princípios e técnicas do cinema de animação. Quando: 24 e 27 de Janeiro (quarta-feira e sábado) Horário: 14h às 16h Local: Centro de Educação e Cultura Burle Marx Público: adultos e crianças acima de 10 anos Observação: limite de 10 vagas, inscrições no local por ordem de chegada

    - Jogo: Memorizando a Biodiversidade
    No Jogo “Memorizando a Biodiversidade” a fauna e a flora do Inhotim são os personagens principais. Crianças e adultos serão convidados a conversar sobre espécies botânicas que são destaques no paisagismo dos jardins do Inhotim, além de exemplares da Mata Atlântica e Cerrado, pertencentes à RPPN Inhotim. A fauna silvestre e doméstica também será ponto de partida para as discussões.
    Horário: 10h às 16h (de terça à sexta-feira) e 10h às 17h (aos sábados, domingos e feriados)
     Local: Estação Educativa para Visitantes (Centro de Educação e Cultura Burle Marx)

     - Visita Temática: Diversidade e Representatividade na Arte Contemporânea
    A história das produções artísticas é marcada até certo ponto, por uma homogeneidade no que se refere aos sujeitos que as produziram, e as linguagens que utilizaram. Por séculos a arte europeia foi muito influente sobre a civilização ocidental, com as suas pinturas em quadros ou em monumentos, produzidas principalmente por homens. A partir do século XX os Estados Unidos ascendem como potência mundial, tornando-se também uma grande referência para as produções artísticas, mas com pouca alteração no que se refere a um cenário ainda dominado por artistas homens brancos. Essa bipolarização de influências que desconsiderou artistas de outros países, suas etnias e gênero, passa por um processo de dissolução, uma vez que o movimento contemporâneo tem uma capacidade muito maior de descentralizar e incluir, além  da diversificação das técnicas de produção. A temática “Diversidade e Representatividade na Arte Contemporânea” propõe ao visitante uma reflexão sobre a importância do acervo permanente do Inhotim, que é composto por 50% de artistas latino-americanos e além de possuir 30% de artistas mulheres. Apesar dos percentuais serem interessantes, falta representatividade?
    Quando: 01 de janeiro a 28 de fevereiro (quartas, sábados, domingos e feriados)
    Horário: 10h30 às 12h Local:  saída da Recepção
    Público:  livre Observação:  limite de 25 vagas

    – Visita Panorâmica
    Conversa e reflexão sobre o espaço do Inhotim e seus acervos, explorando as várias possibilidades de percurso. Quando: de terça a domingo e feriados .
    Horário: 11h e 14h
    Local: saída da Recepção
    Público: livre Observação: limite de 25 vagas

    Te esperamo aqui! 

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    05 de dezembro de 2017

    Redação Inhotim


    botânicabrumadinhocomunidadeeducaçãoinhotimmeio ambiente

    Leitura: 7 min

    Inhotim na vanguarda da conservação ambiental

    Inhotim na vanguarda da conservação ambiental

    Representantes da sociedade civil, setor público, academia e instituições globais se reuniram no Instituto Inhotim entre os dias 29 de novembro e 1º de dezembro para debater os desafios da preservação ambiental. O Seminário Internacional Mudança Climática e Biodiversidade: Ideias e Atitudes que Fazem Diferença apresentou ao público ações inspiradoras que contribuem para o desenvolvimento sustentável. Foi o primeiro evento internacional sobre o tema realizado pela Instituição.

    Um dos palestrantes do seminário, o diretor do Jardim Botânico do Inhotim, Lucas Sigefredo, abordou as ações ambientais do Instituto e conclamou o público a refletir sobre a mudança global do clima e agir localmente. Durante sua fala, Lucas pontuou as principais funções do Inhotim enquanto Jardim Botânico, um lugar que é centro de concentração e disseminação do conhecimento. “Temos uma importância fundamental no cuidado com a biodiversidade e com os recursos naturais, além da reestruturação e reorganização do espaço de forma sustentável. Esse tipo de encontro é uma oportunidade de discutir sobre temas da mais alta relevância e convidar as pessoas para uma atitude individual, coletiva ou institucional para conservar a biodiversidade, disse.

    Botânico consultor do Kew Garden e Eden Project, o britânico Sir Ghillean Prance mostrou a importância das grandes coleções de plantas dos jardins botânicos para auxiliar e promover ações que combatam a mudança climática.“É responsabilidade dos jardins botânicos trabalharem esse tema, senão, não haverá plantas para o futuro”, advertiu Prance, chamando atenção para a combinação entre arte e natureza no Instituto. “O Inhotim é incrível e estou muito feliz por estar aqui, conhecendo este lugar! É interessante como vocês articulam Jardim Botânico e o acervo artístico, conseguindo transmitir uma mensagem de conservação do meio ambiente. Manter um jardim bonito como esse é fruto de um esforço muito grande dos trabalhadores”.

    Moderando o painel “Interface entre ciência, tecnologia e tomada de decisão pública e privada para o combate à mudança climática”, o assessor sênior do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Haroldo Machado Filho, também participou do evento. O especialista explicou que as transformações do clima estão diretamente associadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. “Colocar a questão da mudança do clima mais próxima do cidadão comum e dos impactos no processo de desenvolvimento, em relação à mudança do clima, biodiversidade, edução pobreza, saúde, educação, é garantir que os 17 ODS, que são integrados e indivisíveis, sejam implementados”, afirmou.

    Já Adriano Oliveira, diretor do Departamento de Monitoramento, Apoio e Fomento de Ações em Mudança do Clima do Ministério do Meio Ambiente, observou que é importante tomar inciativas como o seminário para compartilhar o que está sendo feito pelas diversas instituições. Segundo ele, o ministério tem o desafio de recuperar 12 milhões de hectares por meio de reflorestamento e restauração de vegetação nativa.“O Inhotim é um grande exemplo para as políticas públicas e ações similares que têm que ser realizadas pelo Brasil”, disse Oliveira. 

    O diretor destacou o projeto do Inhotim financiado pelo Fundo Clima, que prevê a criação de uma área protótipo para sequestro de carbono em terrenos degradados pela mineração a partir de plantas nativas: “Temos que tomar iniciativas, a exemplo deste seminário, como uma forma de divulgar projetos”. O Fundoclima é um projeto de extrema importância para o Ministério. Como tem centralidade na recuperação de área degradada por meio de reflorestamento, torna-se um exemplo importante de como o Brasil pode agir, diante dos compromissos assinados no acordo de Paris, por meio da Contribuição Nacionalmente Determinada (CND)”, acrescentou Oliveira.

    O seminário também recebeu a presença da diretora executiva da Forest Stewardship Council (FSC), que falou sobre os problemas e soluções palpáveis para se conseguir combater o uso ilegal das madeiras nas florestas brasileiras. “O selo FSC garante que todo o processo de produção foi feito pensando em preservar a vida das florestas. O cidadão comum pode contribuir adquirindo produtos certificados, investindo na certificações de suas operações, promovendo a certificação FSC e divulgando seu conceito”

    Os três dias de seminário foram proporcionaram momentos de troca de conhecimento, expandindo as possibilidades e alternativas para novas ideias de conservação. Desde sua abertura ao público, em 2006, o Inhotim tem contribuído para a conservação da biodiversidade, sendo reconhecida em 2010 como Jardim Botânico, tornando-se um agente de sensibilização e educação sobre as temáticas de mudança climática, sustentabilidade, proteção e conservação da flora e fauna locais. O Instituto possui, ainda, cerca de 4.500 espécies botânicas e uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN), com 249 hectares.

    Por meio de suas práticas de combate à mudança do clima, o Inhotim está em consonância com a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Os trabalhos ambientais e de pesquisa desenvolvidos no Instituto são frutos de parcerias com instituições de renome internacional, incluindo o PNUD.

    comente

    • Twitter
    • Facebook
    • Google +
    Página 2 de 2712345...1020...Última »